Cinco dicas para turbinar seu currículo

Coordenadora de RH ensina como ser notado pelos recrutadores

 A procura por trabalho tem sido um dos tópicos mais discutidos no país desde o início da recessão em 2015. De lá para cá, alguns perderam o emprego e estão procurando até hoje, outros enveredaram pelo caminho do trabalho informal e muitos jovens não estão confiantes de que conseguirão entrar no mercado de trabalho, dado o cenário atual.

Apesar dos muitos contras, Carolina Silva, coordenadora de RH da Luandre, uma das maiores consultorias de Recrutamento e Seleção do Brasil, vê o último quadrimestre com bons olhos e ressalta que agosto foi o mês em que a consultoria ofereceu mais vagas, 2.763, no total 13% de aumento em relação ao mês de julho. “A tendência é de crescimento do número de vagas em virtude da proximidade do Natal e a necessidade de contratação de temporários para a data. De setembro a dezembro esperamos um aumento ainda maior dos postos de trabalho disponíveis, sem dúvida”, comenta.

Então, se você está fora do mercado de trabalho, aproveite cinco dicas valiosas de como de como deixar seu currículo mais atraentes para os recrutadores.

  1. Comece pelo objetivo. Qual é sua área de interesse e expertise? Deixe claro isso para empregadores e recrutadores e não tenha medo de colocar a pretensão salarial — nenhuma empresa vai baixar o salário oferecido, caso você tenha pedido menos. Na realidade, especificar quanto se quer ganhar serve para antecipar uma situação, caso a vaga ofereça muito menos do que o candidato pretende receber.
  2. Em seguida, especifique sua formação e sua experiência. Mais uma vez, seja objetivo. Não adianta falar sobre cursos livres que não tenham a ver com o cargo que está pleiteando e muito menos citar experiências de início de carreira, que acrescentam como bagagem de vida, mas não demonstram o quanto a pessoa conhece da profissão. Viagens e cursos aleatórios podem ser citados, mas no final do currículo.
  3. Não minta sobre experiência com línguas. Se uma vaga pede inglês fluente é porque o profissional vai de fato precisar se comunicar no idioma. Mas, caso saiba mesmo outra ou outras línguas, enfatize isso no campo “idiomas” do currículo e acrescente onde estudou, intercâmbios e diplomas de proficiência.
  4. A parte de experiência deve ser clara, citando empresa, cargo, função e período trabalhado.
  5. Seja sucinto e deixe para desenvolver o relato sobre suas capacidades durante a entrevista.

E como dicas nunca são demais, outras três de ouro:

– Se a consultoria pede para que você se cadastre no site, faça. Não se contente em deixar apenas o CV em papel.

– Seja insistente. Semanalmente consulte as vagas disponíveis no site e se puder ligue para o recrutador para saber se entrou algo no seu perfil.

– Cursos de mestrado, pós-graduação e extensão costumam ser caros e são uma impossibilidade para quem está desempregado, mas não deixe nunca de se atualizar na sua área. Leia, faça seu networking e busque cursos online e presenciais gratuitos. Eles existem aos montes.