Como lidar com as angústias de fim de ano?

Psicóloga explica o sentimento de vazio que atinge alguns nesta época e como revertê-lo

Quando a época de fim de ano se aproxima, muitas pessoas ficam melancólicas, com um aperto no peito e uma sensação de vazio. Esse sentimento é bastante comum, já que é um período em que se tem a percepção do término de um ciclo, podendo haver uma reavaliação das condutas e realizações no decorrer dos doze meses. “A própria mídia estimula isso, focando no direcionamento de novas metas, como alcançar um bem ou alguma mudança corporal. E, se identificarmos que poucas coisas foram realizadas em relação ao planejado no ano anterior, pode, sim, ocorrer um sentimento de frustração”, explica a psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde, Aline Melo.

No entanto, a especialista aconselha a tentar conviver de forma saudável com as angústias, pois podem ser usadas para o crescimento pessoal e maior desenvolvimento no próximo ano, visando a uma percepção diferente sobre os objetivos e oportunidades. “A positividade varia muito de pessoa para pessoa. Há indivíduos com maior inclinação para encarar a vida de maneira positiva, apesar das intercorrências do dia a dia. Contudo, se o ano de alguém não foi bom, é importante ponderar e avaliar os motivos por não ter sido um ano de vitórias e trabalhar dentro de si mudanças para evitar que isso ocorra novamente. Essa já é uma maneira positiva de lidar com os problemas e futuras mudanças”, comenta.

Outro ponto de atenção é caso tenha crianças no círculo de convivência. A psicóloga esclarece que as crianças são seres sensíveis e, por isso, é bastante difícil esconder os sentimentos para elas. “Caso ocorra alguma tristeza ou chateação, e no caso de elas perceberem, não há restrição em falar sobre o assunto, mesmo que não conte os pormenores da angústia. É importante que a criança saiba que não somente coisas positivas são compartilhadas, mas também os sentimentos ruins, sendo uma proposta para que elas compreendam e identifiquem como lidar com os problemas”.

Não só nos fins de ano, mas sempre é preciso avaliar os erros e acertos do passado. “Perceber novas condutas para o futuro e traçar planos com estratégias para cumpri-los pode ser um bom jeito de renovarmos as esperanças para o ano novo e sempre que algo não estiver saindo da maneira que gostaríamos”, finaliza Aline Melo.