Qual é a sua pretensão salarial?

Quando vem aquela pergunta básica “Qual a sua pretensão salarial?”, você não sabe o que responder?

O empregador já sabe o valor que a posição oferece, certo? Se você informar um valor menor, o salário será rebaixado?

Vamos desmistificar alguns pontos, começando com alguns conceitos…

A remuneração de um cargo é a somatória do salário, dos benefícios e dos incentivos de longo prazo oferecidos pela empresa.

Para criarmos um cargo e definirmos o respectivo salário, analisamos:

  • Formação e conhecimentos específicos
  • Atividades e responsabilidades
  • Nível de experiência desejado
  • Valores pelos quais o profissional será responsável (orçamento/investimento)
  • Nível do profissional a quem o colaborador se reportará
  • Gestão de equipes
  • Áreas clientes
  • Competências técnicas, comportamentais e funcionais

Cada cargo tem a sua faixa salarial (mínima, média e alta) e a definição dos valores leva em consideração pesquisas com a participação de várias empresas.

Ao abrirmos uma oportunidade, fazemos um estudo da remuneração atual e do tempo de experiência dos colaboradores que já estão trabalhando no local e na mesma função, dentro da empresa.

Após entender toda esta análise, deu para perceber que o salário não é definido após a sua resposta sobre pretensão salarial, certo?

Então por que pedir a pretensão salarial?

No processo seletivo, buscamos identificar um candidato que atenda a maioria dos requisitos e que tenha a pretensão salarial dentro da faixa inicial ou média. Desta forma, é possível fazer a gestão de sua carreira atrelada à remuneração a curto, médio e longo prazo.

Se o profissional é bom, mas a sua pretensão salarial está no fim da faixa, ficará sem muita “pista” para aumento de salário, poderá estacionar na função e permanecer desmotivado. Além disso, por mais que o colaborador seja capacitado, pode levar um tempo para adaptação à nova empresa e para trazer resultados.

Quando solicitamos a pretensão salarial, gostaríamos de entender a partir de qual valor o candidato estaria disponível para uma negociação:

  1. Se a vaga oferecida estiver abaixo deste valor mínimo negociável, provavelmente não perderemos o nosso tempo, nem o do candidato, conversando sobre a posição;
  2. Se o candidato estiver com a pretensão salarial dentro da faixa e se na entrevista demonstrar que atende aos requisitos do cargo, a negociação do valor final pode começar. O selecionador informará quais os benefícios e incentivos de longo prazo que a empresa oferece etc. O candidato deve indicar o valor que acredita que o motivará a enfrentar os novos desafios. O valor definido levará em consideração a retenção deste “TALENTO”;
  3. Se o candidato ganhava um salário muito acima do oferecido e a sua pretensão salarial for menor, podemos ter algumas dúvidas: ele utilizará o cargo atual como “trampolim”? Ele permanecerá na empresa/função de forma temporária até encontrar um novo que o atenda em suas necessidades? Ele começará na empresa já desmotivado, comparando o que ganhava anteriormente? Como consequência, ele terá queda na produtividade?
  4. Existem profissionais qualificados para o cargo (atendem a todos os requisitos), que ganham o mesmo valor ou até menos do que o oferecido e que adorariam atuar na função? Os riscos seriam minimizados? Talvez eles sejam os escolhidos…

Hoje você pode não ter sido selecionado para uma posição devido ao valor salarial oferecido X a sua pretensão. Porém, se o seu perfil é compatível com o que a empresa valoriza você poderá ser convocado posteriormente se houver uma nova oportunidade.

Mas como definir a sua pretensão salarial?

  1. Algumas posições abertas informam o valor do salário. Compare os salários anunciados com o seu último e avalie se a sua pretensão está muito acima ou abaixo do que o mercado pratica;
  2. Informe a sua pretensão salarial apenas se o selecionador solicitar, para ter a chance de ser chamado para uma entrevista e entender melhor a posição.
  3. Se o selecionador solicitar a pretensão salarial não coloque “a combinar”. Escolha um valor mínimo a partir do qual você poderá negociar, dependendo do desafio e dos benefícios (a partir do valor X). Avalie este valor mínimo levando em consideração o piso da categoria ou um valor que compensaria você sair de casa para fazer uma entrevista, por exemplo. Não considere, por enquanto, as variáveis que você ainda não conhece.
  4. Na entrevista, peça mais detalhes sobre o cargo, responsabilidades, benefícios, possibilidades de desenvolvimento e desafios. Posteriormente, informe a sua pretensão salarial já definida e/ou analise a proposta da empresa;
  5. Não acredite em promessas de aumento de salário após a sua admissão. O gestor pode mudar e a situação econômica da empresa também;

O candidato que preenche a todos os requisitos e que após ser admitido possui uma boa avaliação de competências e resultados, tem maior empregabilidade, maior chance de aumento de salário e de promoção.

 Invista em sua carreira!

Por Giuliana Gouveia Mesquita, Headhunter, Coach de Carreira, Psicóloga e Consultora de Recursos Humanos.

*Se você possui dúvidas ou sugestões sobre o assunto, entre em contato gratuitamente pelo whatsapp (16) 9978 28731.