Mundo RH

50 executivos C-Level emitem NFTs avaliados em R$ 11,3 milhões na primeira plataforma de Open Talent Economy em blockchain da América Latina

A Chiefs.Group acaba de lançar a primeira plataforma em blockchain para gestão de talentos C-level da América Latina, com NFTs avaliados em R$ 11,3 milhões. Criada em parceria com a OnePercent, startup brasileira em soluções em blockchain, o modelo revolucionário irá permitir digitalizar a carreira de altos executivos e viabilizar uma nova relação de trabalho sob demanda. Assim, o profissional poderá investir seu capital intelectual de acordo com o desafio proposto, ao invés de dedicar 40 horas semanais de forma exclusiva, tendo acesso a um novo tipo de remuneração, via equities, que gera maior envolvimento e comprometimento com o sucesso do negócio. De início, as carteiras digitais serão disponibilizadas para um seleto grupo de 53 C-levels.

Na prática, profissionais de alto escalão com passagens por empresas como Meta, 99, Movile, Stone, TIM Brasil, dentre outras, e experiências em diversas áreas, como administração, finanças, tecnologia, logística e marketing, passarão a ter suas próprias carteiras para gerenciar e oferecer tempo e conhecimentos para empresas, startups e projetos, que irão contratá-los para atuar sob demanda. Em contrapartida, os executivos receberão em dinheiro ou em participação através de equities, que poderão ser exercidas quando julgarem oportuno, como na entrada de um novo investidor ou na abertura de capital no mercado público.

“Ao viabilizar uma tecnologia que possibilita profissionais com grande experiência atuarem em profundidade naquilo que de fato conhecem e em diversos projetos, estamos liderando o movimento de Open Talent Economy na América Latina e construindo o futuro do trabalho, que foi acelerado pelo distanciamento social que experimentamos a contragosto com a pandemia”, explica Cristiane Mendes, fundadora e CEO da Chiefs.Group.

“Quando as tratativas do mundo do trabalho passam a ocorrer em blockchain, temos um meio de garantir maior confiabilidade e transparência nas relações. Este registro gera reputação para as empresas, que poderão comprovar o vínculo de determinado executivo notável em seu negócio. Por outro lado, também beneficia o executivo, que passará a demonstrar ao mercado sua atividade além das fronteiras do já antigo ‘full time job’”, acrescenta.

Fundada em 2020, a Chiefs.Group já realizava a ponte entre profissionais experientes e startups por meio do Chief As A Service, modelo inédito no cenário nacional que alocava um C-Level para trabalhar em um negócio em troca principalmente de equities. Agora, todo o processo será feito por meio de carteiras digitais. Essa inovação chega com a tecnologia inovadora da OnePercent, empresa envolvida em grandes processos de tokenização do país e do mundo, como o MCO2 Token, primeiro crédito de carbono lastreado em blockchain do mercado global e que figura na listagem das maiores exchanges do mundo, como Coinbase, Gemini, Mercado Bitcoin e NovaDAX.

A startup tem ainda a primeira plataforma de NFTs sustentável do mundo, no qual cada token gerado é automaticamente compensado com crédito de carbono da Moss, e é responsável técnico por projetos como o NFT da Amazônia – que levantou mais de R$ 1 milhão em poucas horas após o lançamento – e a iniciativa que trouxe para o Brasil os primeiros NFTs do mercado imobiliário, em parceria com netspaces e Imovelweb.

“Participar de projetos que lideram mudanças nas relações de consumo, nas experiências do mercado, e que conduzem movimentos disruptivos na sociedade está no DNA da OnePercent. Integrar a iniciativa da Chiefs.Group, que traz um novo modelo de mercado de trabalho, reforça nossa busca por contribuir com ações que conectam pessoas, empresas e marcas à uma nova economia”, destaca Fausto Vanin, cofundador da OnePercent.

 

Como funciona

 

Inicialmente, a Chiefs.Group disponibilizou as carteiras para 53 executivos, que trazem NFTs no valor médio de R$ 150 mil cada, representando as horas a serem alocadas em um projeto. Na plataforma, os profissionais e as empresas poderão se conectar, estabelecer smart contracts com todas as regras automatizadas e realizar transações instantâneas. O pagamento em dinheiro ou em equities das startups pela dedicação dos C-Levels será representado por um token que comprova essa relação e gera valor para todos os envolvidos.

A primeira carteira emitida é de Arthur O’Keefe, executivo da rede da Chiefs.Group de estratégia e captação com passagens pelo Grupo Movile, iFood, Sympla, dentre outras grandes companhias. Agora, O’Keefe passará a monitorar na palma da mão sua atuação em diversos projetos, a quantia já transformada em participação ou em retorno financeiro, sua disponibilidade para novos desafios, além de outros aspectos, na plataforma disponível para desktop e aplicativo.

“Acredito profundamente que os NFTs serão ferramentas poderosas de garantia de confiança entre as partes envolvidas em um contrato. Ou seja, isso aplicado à carreira e ao mercado de trabalho faz todo o sentido”, diz O’Keefe.

Em breve, o marketplace da Chiefs.Group também irá proporcionar liquidez para os executivos, com a venda dos NFTs para outros interessados em assumir aquela atuação, mediante aprovação da empresa em questão. Além das mais de 53 carteiras iniciais, outros 412 C-Levels da rede da Chiefs.Group já estão na lista de espera para aderir ao sistema.

Impacto no RH tradicional

Para impactar o mercado em larga escala, a Chiefs.group irá atuar como integradora de empresas de recrutamento e seleção, que poderão buscar executivos de altíssimo nível para colaborar full time, part time ou sob demanda, além de gerar e operar negócios na plataforma de Open Talent Economy.

“Hoje, todas as plataformas de Open Talent Economy operam apenas por dinheiro. A nossa é a primeira que traz a possibilidade da troca de horas por equities. Além disso, nenhum outro sistema do setor trouxe o dinamismo e a segurança do blockchain. Estamos muito entusiasmados com essa parceria com a OnePercent, que é um agente facilitador para quem deseja se conectar com a nova economia através de tecnologias disruptivas, principalmente o blockchain, tornando as relações melhores e mais transparentes”, finaliza Cristiane Mendes.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo