Gestão em TI

69% da rotina de gerenciamento das empresas será totalmente automatizada até 2024

Analistas do Gartner destacam que o uso de inovações e de tecnologias inteligentes será essencial para o avanço das estratégias de produtividade e para a seleção de talentos

A Inteligência Artificial (IA) e as tecnologias emergentes, como os assistentes pessoais virtuais e chatbots, estão rapidamente avançando no ambiente de trabalho. Segundo previsão do Gartner, Inc.,  mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, essas tecnologias substituirão quase 69% da carga de trabalho mundial dos profissionais em cargos de gerência.

“O papel de gerente passará por uma revisão completa nos próximos quatro anos”, diz Helen Poitevin, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “Atualmente, os gerentes precisam gastar muito tempo preenchendo formulários, atualizando informações e aprovando os fluxos de trabalho. Ao usar a Inteligência Artificial para automatizar essas tarefas, eles podem gastar menos tempo gerenciando transações e investir mais tempo em aprendizado, gerenciamento de desempenho e estabelecimento de metas.”

Segundo os analistas do Gartner, a Inteligência Artificial e as tecnologias emergentes mudarão inegavelmente o papel dos gerentes e permitirão que os funcionários ampliem seu grau de responsabilidade e influência nas organizações, sem assumir tarefas específicas de gerenciamento. Os líderes focados em inovação e IA agora também são responsáveis ​​por melhorar a experiência dos trabalhadores, apoiar o desenvolvimento de habilidades dos profissionais e, ainda, para criar competências organizacionais no uso responsável da Inteligência Artificial.

“Os gestores precisarão suportar uma transição gradual de suas rotinas, com o aumento da automação das tarefas de gerenciamento, pois esta é uma característica cada vez mais presente nas aplicações corporativas”, afirma Poitevin.

Inteligência Artificial para promover a diversidade no local de trabalho – Quase 75% dos executivos de recrutamento relatam que a escassez de talentos terá um efeito cada vez mais impactante em suas organizações. Para superar a falta de mão de obra especializada, as organizações precisarão considerar pessoas com deficiência, que até então era um pool de talentos praticamente inexplorado. Nesse sentido, a Inteligência Artificial e outras tecnologias emergentes já estão ampliando as oportunidades de suporte à diversidade, tornando o trabalho mais acessível inclusive para os funcionários com deficiência.

O Gartner estima que as organizações que empregam ativamente pessoas com deficiência têm taxas de retenção 89% mais altas e um aumento de 72% na produtividade dos funcionários, além de um aumento de 29% na lucratividade.

O Gartner prevê que, até 2023, o número de pessoas com deficiência empregadas triplicará mundialmente, devido justamente ao uso de IA e às tecnologias emergentes que reduzem as barreiras de acesso. “Algumas organizações estão usando a Inteligência Artificial com sucesso para tornar o trabalho realmente acessível para pessoas com necessidades especiais”, explica Poitevin. “Os restaurantes estão realizando pilotos com o uso de tecnologias de robótica e IA que permitem que funcionários paralisados ​​controlem os garçons robóticos remotamente. Além disso, com a adoção de tecnologias acessíveis, como leitores de braile e realidade virtual, as organizações estão mais abertas às oportunidades de empregar uma força de trabalho diversificada.”

Segundo o Gartner, com esse cenário, as organizações que não empregam pessoas com deficiência ficarão para trás de seus concorrentes já em 2022.

Confira também:

PodCast: A Ciência da Felicidade

Plano odontológico, qual importância desse benefício para a empresa?

Amazon e Apple são as empresas mais disruptivas segundo líderes globais de tecnologia, aponta KPMG


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar