ColunistaEmpreendedorismo

A importância do acaso

Durante a minha trajetória, pude perceber que os grandes empreendedores aproveitam suas próprias dores para criar soluções criativas

A importância do acasoDesde que iniciei minha jornada como biógrafo, tenho percebido que existe um fator comum na vida da maioria dos meus biografados que é o “acaso”. O acaso é, na simples definição do dicionário, um acontecimento casual, não planejado e que, na minha concepção, é capaz de se tornar o fator determinante para o sucesso na vida de uma pessoa.

O acaso é representado, sem dúvidas, pelo acontecimento de algo inesperado. É, entretanto, uma chance que só pode ser aproveitada por alguém atento, otimista e criativo, que no acaso percebe a possibilidade de transformá-lo em redirecionamento de caminho e bons resultados.

Durante a minha trajetória, pude perceber que os grandes empreendedores aproveitam suas próprias dores para criar soluções criativas, são capazes de inovar e trazer algo de diferente ao segmento em que atuam. Isso significa que, onde os outros encontram problemas, eles encontram soluções.

Exemplo disso é o empresário Ueze Elias Zahran, nascido em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Cansado de ver a mãe ariando panelas que ficavam sujas por causa da fuligem do fogão à lenha, resolveu presenteá-la com um fogão a gás, comprado em uma ida para São Paulo.

A mãe, que também sofria por ter que carregar madeiras para acender o fogão, ao ganhar o presente, ficou maravilhada: com a chama azul acesa; nunca mais suas panelas ficariam manchadas. Ele, jovem atento e empreendedor, pensou: “Se a minha mãe está nesta alegria toda, imagina como não ficarão outras mães que comprarem ou ganharem um fogão a gás!”. Neste momento, a partir de uma “obra do caso” e do senso de oportunidade, nasceu a Copagaz – uma das principais companhias de gás do Brasil.

Outro exemplo, é o Mr. Fisk, das escolas de idiomas Fisk e PBF. Apesar do seu mestrado e sua graduação em relações internacionais, depois de voltar da Segunda Guerra Mundial, sentia-se infeliz profissionalmente, como um simples funcionário num pequeno escritório de contabilidade.

Em uma oportunidade em que esteve no Brasil, visitando a mãe e o irmão que trabalhavam no consulado dos Estados Unidos em São Paulo, viu no jornal um anúncio da Texaco à procura de um funcionário que falasse inglês fluentemente. Ele, aproveitando uma oportunidade inesperada, candidatou-se à vaga, foi contratado. Tempos depois, começou a dar aulas de inglês para reforçar o orçamento e acabou transformando o “bico” numa carreira empreendedora de enorme sucesso.

Esses são apenas dois exemplos de como o acaso pode dar uma “ajudinha” na sua vida ou na vida de qualquer pessoa. Desde que, é claro, você esteja disposto a dar a sua contribuição ao acaso também.

Penso que os grandes empreendedores acreditam que irão “pegar estrelas no céu” com as mãos e conseguem. Isso porque, além de ter uma fé inabalável de que seus planos irão dar certo, eles agem, tomam atitudes. Infelizmente, muitos arrumam desculpas, dizendo que as estrelas estão muito altas, que o braço é curto… já pensou nisso?

Por Elias Awad – biógrafo e palestrante –eliasawad@eliasawad.com.br – www.eliasawad.com)


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios