Gestão

Como implantar gestão estratégica de pessoas em tempos de escassez de talentos?

Ações do setor de recursos humanos voltadas à contratação e retenção são fundamentais em meio à disputa por profissionais

Como implantar gestão estratégica de pessoas em tempos de escassez de talentos?

Contratar profissionais capacitados é o objetivo de qualquer empresa de tecnologia. Tendo em vista a escassez de mão de obra qualificada — que  é apontada como a principal razão para as mais de 100 mil vagas abertas no setor de tecnologia em 2019, de acordo com a IDC Brasil — , ter um setor de gestão de pessoas estratégico e analítico pode ser um fator decisivo para contratar e reter os melhores talentos disponíveis no mercado. O setor de TI demandará 420 mil novos empregos entre 2018 e 2024, de acordo com um relatório da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom).

“Com a chegada das novas gerações ao mercado de trabalho e o aumento da concorrência na busca por talentos, uma atuação muito mais estratégica do que operacional do RH tem se tornado um desafio para as organizações. Nesse sentido, o setor de recursos humanos precisa adotar ferramentas que auxiliam na coleta e análise de dados. Assim é possível fornecer subsídios aos gestores para uma tomada de decisão mais assertiva e gerar economia de tempo e dinheiro para a empresa”, comenta Bruno Soares, CEO e Co-Founder da Feedz — startup que desenvolve uma plataforma completa para gestão ágil e estratégica de pessoas.

A tecnologia tem papel fundamental para promover uma gestão de pessoas otimizada, sendo considerada uma forte tendência nas empresas que veem seus colaboradores como um importante ativo do negócio. Assim, além de ter um funcionário satisfeito, a empresa também promove um controle de custos maior, uma vez que a iniciativa reduz a taxa de turnover e absenteísmo, assim como garante uma melhora na produtividade e na retenção dos colaboradores.

Gestão estratégica de pessoas

Segundo pesquisas da Deloitte, na gestão de desempenho tradicional, 62% das avaliações são resultado de uma percepção subjetiva dos seus gestores. Com o aumento da competitividade e choque de comunicação e comportamento entre as gerações, não há espaço para suposições, e incentivar a análise de dados é fundamental. “As ações de motivação e retenção de colaboradores requerem mais investimento de tempo dos gestores do que financeiro. Feedback regular, comunicação interna eficiente, benefícios atrativos, salários compatíveis com o mercado, recompensas pelos bons resultados e treinamentos são alguns exemplos de ações de motivação e retenção de colaboradores”, comenta Bruno. Abaixo listamos maneiras de a gestão de pessoas ser estratégica.

Ouça os colaboradores: por meio do estímulo ao feedback contínuo, que inclusive pode ser feito por meio de um software, os profissionais da área de RH tem subsídio para apontar quais processos mais dificultam a rotina dos colaboradores e como isso poderia ser otimizado com a adesão de tecnologia.

Mensure resultados: um RH analítico é capaz de captar dados e mensurar o desempenho dos colaboradores e a sua satisfação com o trabalho. Ao passo que faz isso, consegue enxergar se os resultados pessoais melhoraram ou não com a adesão de determinada tecnologia. Além disso, é possível identificar se a transformação digital engaja os colaboradores ou eles precisam que mais ações sejam realizadas.

Estimule a produtividade: na medida que o RH proporciona um acompanhamento personalizado a cada colaborador, ele estimula que estes estejam mais engajados e satisfeitos com suas funções. Isso faz com que o profissional se torne mais produtivo e faça entregas com maior qualidade.


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar