Qualidade de vida
Tendência

Como o corpo e a mente da mulher moderna podem estar comprometidos

Certamente o acúmulo de funções da mulher moderna traz consequências e distúrbios físicos

A mestre em fisiologia do exercício pela UNIFESP e palestrante, Bianca Vilela, de SP, que atua há quase 20 anos em ergonomia, reabilitação, prevenção e saúde corporativa, afirma que o corpo físico e a mente são totalmente interligados e com a rotina atribulada das mulheres modernas, tudo isso fica bastante comprometido, já que elas encaram longas jornadas de trabalho, não abrem mão das tarefas domésticas, cuidam dos pais idosos, dos filhos que basicamente ainda ficam exclusivamente por conta da maioria delas, além de muitas vezes gerenciarem a vida dos companheiros. Mas, a boa notícia é que há como fazer tudo isso sem deixar a saúde de lado.

“Certamente o acúmulo de funções da mulher moderna traz consequências e distúrbios físicos, além é claro de exaustão mental, vide o conhecido Burnout, já que muitas se consideram multitarefas e esse excesso de coisas a serem resolvidas e tratadas, prejudicam demais a saúde física e mental.

Para reverter o quadro, Bianca revela que a primeira coisa é saber dizer não e se colocar como prioridade máxima. “Se a mulher está bem ela consegue de uma forma mais estratégica ter mais performance. Entretanto, o que geralmente eu observo (considerando vida pessoal e profissional), são mulheres sobrecarregadas abraçando tarefas e funções alheias”.

Algumas dicas da especialista, podem ajudar a mudar isso tudo, são elas:

  • Acordar 10 minutos antes da família ou do restante da casa em que mora;
  • Meditar pelo menos 5 minutos por dia;
  • Reservar momentos especiais ao longo do dia, seja tomar um café sozinha ou almoçar com as amigas;
  • Exercitar-se pelos 150 minutos por semana, já que para a mente estar bem, o corpo precisa estar totalmente são
  • Cultivar o lazer é fundamental para uma vida plena e feliz!

Confira também:

Podcast: Gestão ágil nas organizações

Termos em inglês utilizados por profissionais de recursos humanos

Autonomia no trabalho: como conquistá-la?


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo