ComportamentoEmpreendedorismo

Como ser bem-sucedido(a) ao trabalhar em casa?

O sucesso passa pela decisão, organização e planejamento

Trabalhar por conta própria pode significar abrir um negócio. O número de pessoas que buscam se tornar microempreendedores individuais (MEIs) no país demonstra isso. De acordo com o Portal Empreendedor do Governo Federal, em cinco anos, o número de MEIs cresceu mais de 120% no país, chegando, em maio, a mais de 8 milhões de cadastrados.

Tal situação, porém, não deve ser encarada apenas do ponto de vista negativo. Para a psicóloga Fernanda Tochetto, abrir uma empresa – mesmo que formada por apenas um indivíduo – traz mais liberdade e autonomia para desenvolver o trabalho, pois a pessoa atua como chefe de si mesmo e pode estabelecer horários mais flexíveis, que conversem melhor com sua realidade.

Contudo, conforme a psicóloga especialista em carreiras, não se trata de tarefa fácil. Ainda mais em casa. “Para que a empreitada seja bem-sucedida é preciso que a pessoa entenda suas habilidades e as potencialize a um ponto que consiga uma grande concentração e transformação de energia em foco e produção”, diz a psicóloga. De acordo com Tochetto, tal resultado é obtido levando-se em conta três pontos: decisão, organização e planejamento.

Antes de tudo, segundo a psicóloga, a pessoa precisa ter clareza do seu objetivo, por exemplo, que negócio pretende vender, que serviço pretende entregar etc. Em segundo lugar, necessita buscar conhecimento, desenvolver habilidades, que a tornem melhor naquilo que deseja fazer. Outro ponto interessante e que não deve ser esquecido por quem pretende ser um empreendedor é o desenvolvimento de um bom plano estratégico de negócios. Quando tudo estiver pronto e a decisão tomada, a pessoa deve estabelecer regras claras com a família, para que o trabalho em casa não seja minado por tarefas que nada tem a ver com a parte profissional.

“Ao iniciar o processo, muitas pessoas descobrem, porém, que pequenas situações são inimigas dessa modalidade de trabalho”, destaca a psicóloga. Nesse sentido, cuidados devem ser tomados, para que os objetivos sejam alcançados da melhor maneira possível. Tochetto sugere algumas dicas com o intuito de superar os obstáculos que podem surgir ao trabalhar em casa. São elas:

– Criar uma rotina: as horas dedicadas ao trabalho não podem se misturar com as horas dedicadas ao lar, onde a pessoa guarda a intimidade. Conforme Tochetto, é necessário um ambiente exclusivo para realizar as tarefas profissionais. Assim, ao acordar, a psicóloga sugere que a pessoa inicie um ritual, como se fosse sair de casa mesmo: tire o pijama, coloque uma roupa como se fosse ir trabalhar e ao longo do dia tente não desfocar das atividades propostas

– Criar uma agenda: a pessoa não pode confundir flexibilidade com tempo livre. “O que acontece com alguns profissionais em modalidade ‘home office’ é que acreditam poder resolver qualquer problema a qualquer instante do dia, afinal não têm patrão e podem dispor do tempo da maneira que desejarem”, relata Tochetto. No entanto, agir dessa forma pode minar a produtividade.

Por isso, a importância de fazer uma agenda semanal e nunca se desviar dela. Segundo a psicóloga, é possível até abrir espaço para atividades que não estejam atreladas ao trabalho profissional (almoçar, lavar a roupa, pegar os filhos na escola etc.), mas elas devem ter horários pré-estabelecidos. “Coloque horário fixos, siga sua agenda e não deixe situações externas interferirem o tempo todo na sua produtividade. Não abra exceções”, diz.

Classificar informações: com a agenda em mãos e ciente de suas atividades diárias e de seus objetivos profissionais, a pessoa que trabalha na modalidade “home office” deve classificar as informações que chegam até ela, levando em conta o que pode impulsionar o negócio e o que não fará diferença alguma para o empreendimento. Dessa forma, a psicóloga sugere que a pessoa classifique as informações como: urgente; importante; e irrelevante (que precisa receber não).

Não estabelecer uma separação bem definida entre profissão e família, quando se trabalha em casa, traz anseios desnecessários, baixando a produtividade. Conforme Tochetto, a falta de organização e a falta de foco em relação às horas dedicadas ao trabalho podem gerar um acúmulo das atividades laborais, acarretando uma execução de baixa qualidade ou prejudicando a entrega. “Em longo prazo isso pode gerar frustração e desistência”, conclui.


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar