Tecnologia

Desafios empresariais aproximam estudantes de empresas e facilitam a inserção no mercado de trabalho

Desafios empresariais aproximam estudantes de empresas e facilitam a inserção no mercado de trabalhoNos últimos tempos, os alunos da Faculdade de Tecnologia Termomecanica (FTT), que oferece formação gratuita em Administração, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Controle e Automação e Engenharia de Computação, vêm participando e conquistando posições de destaque em desafios empresariais, promovidos por empresas como GM, Ultragaz, Festo, 3M, Firmenich, entre outros

De acordo com a diretora acadêmica da FTT, Luciana Guimarães Borges, a parceria com instituições de ensino superior tem se tornado tendência nas empresas, que buscam soluções inovadoras relacionadas a bens e serviços, nicho de mercado, e até mesmo desenvolvimento de novas operações e processos, que se transformam em oportunidades valiosas para os estudantes também.

Desafios empresariais aproximam estudantes de empresas e facilitam a inserção no mercado de trabalho“Esses desafios permitem a vivência dos estudantes a uma situação problema real, em que eles precisam buscar soluções utilizando seus conhecimentos desenvolvidos na instituição, e suas habilidades pessoais, em um curto espaço de tempo”, revela a diretora, destacando que os alunos também são colocados à prova no que se refere a trabalhar sob pressão e em equipe, devido à complexidade das propostas e do tempo pré-determinado.

Para a diretora, a oportunidade é válida como experiência e pode representar um diferencial na hora de concorrer a uma vaga. “Sem dúvida, esta é uma das formas de aprimorar o processo de formação e qualificação profissional. Outras alternativas para isso são os projetos de extensão universitária, empresa júnior, além, é claro, de estágio na sua área de formação”, recomenda.

Cases

General Motors

Foi dada a largada para o GM Xperience 2019 – desafio global da General Motors, promovido em diversos países onde a montadora tem operações e a etapa brasileira acaba de começar. Esta é a quarta vez consecutiva que os alunos da FTT participam do desafio e, no ano passado, o seu projeto ficou entre as três melhores soluções apresentadas no País, onde concorreram alunos de 12 instituições de ensino superiores.

Na edição passada, os estudantes do 7º semestre do curso de Administração, Graziella Rainho Montanini, Leonardo Nolasco Dias Correa, Mateus Massola Rodrigues dos Anjos e Breno de Oliveira Santos, de Engenharia de Controle e Automação, desenvolveram em 30 dias de trabalho uma solução que envolvia supply chain, logística, custos e análise mercadológica, para uma banca avaliadora composta por diretores nacionais e internacionais da GM. A coordenação do trabalho foi feita pelos professores David Buzo de Moraes (mentor), Aparecido José Martins Lopes e Marcelo Cordeiro Paiva (apoio).

Ultragaz

As alunas do curso de Engenharia de Alimentos, Leticia Medalskas Carvalho, Bianca Dias de Carvalho, Thais Maciel Machado e Beatriz Gouveia dos Santos, venceram a primeira edição do UltraCombate, iniciativa da Ultragaz voltada a jovens universitários.

Em formato de hackathon, equipes das mais renomadas instituições de ensino do País tiveram 30 horas para desenvolver e apresentar uma solução criativa e disruptiva para a questão “Como a Ultragaz pode ampliar seus diferenciais de oferta para alavancar o negócio do público de comércio e serviço? “. Cada uma das dez equipes desenvolveu uma solução para um tema sorteado no início do evento.

As alunas da FTT, que formaram a única equipe 100% feminina da competição, revelam que tinham uma ideia do que iriam propor para a marca, mas a empresa apresentou um novo briefing para o grupo e foi necessário começar o projeto do zero, desenvolver novas ideias e apresenta-lo para executivos da companhia, que avaliaram seis critérios incluindo criatividade e viabilidade de execução da solução proposta.

Como prêmio, as alunas farão uma viagem de cinco dias para Pernambuco em agosto, onde ficarão um dia em Recife, para conhecer o Porto Digital, um dos principais parques tecnológicos do país, e outros quatro dias em Fernando de Noronha, para um merecido descanso, após as 30 horas ininterruptas de hackathon.

Festo

A FTT foi representada por duas equipes na 2ª Competição de Mecatrônica da Festo e conquistou o primeiro e o terceiro lugar na disputa, entre 14 grupos participantes, oriundos das principais instituições de ensino superior de diferentes estados do Brasil.

Os estudantes realizaram cinco tarefas relacionadas a conhecimentos técnicos em pneumática, eletrônica e programação, que foram avaliadas por uma comissão de engenheiros da empresa. Além de testar o conhecimento técnico das equipes, foram trabalhadas habilidades profissionais como planejamento, trabalho em equipe e solução de problemas.

Os alunos do curso de Engenharia de Controle e Automação, Fábio Shinji Nagashi e Hericles Jardim de Oliveira, sob a orientação do professor Antonio José de Couto Pitta, obtiveram o melhor desempenho entre as equipes participantes e foram premiados com uma viagem técnica para Alemanha, onde conheceram algumas cidades, universidades, além da matriz da Festo.

Já os estudantes Genival de Melo Junior e Filippo Pequini, orientados por Marco Aurélio Vonchi de Oliveira, conquistaram a terceira posição na competição, sendo premiados com um curso sobre a Indústria 4.0 promovido pela empresa.

3M

A aluna Renata Rodrigues dos Santos, do curso de Engenharia de Alimentos, sob orientação da professora Ilana Racowski, participou do Programa Cultivando Talentos da 3M, e conquistou o primeiro lugar pelo projeto “Modelagem matemática do crescimento de bactérias, bolores e leveduras em queijo mussarela fatiado quando armazenado sob refrigeração”. A estudante apresentará seu trabalho na edição 2019 da International Association for Food Protection Annual Meeting (IAFP), que será realizada em Louisville, nos Estados Unidos, no final de junho.

O programa reconhece projetos de pesquisas na área de Segurança de Alimentos, desenvolvidos por estudantes de cursos técnicos, graduação e pós-graduação de todo o país. Para definir o projeto vencedor, a comissão julgadora da empresa avalia a adequação ao tema, com a solução para melhorar a qualidade e a segurança de produtos alimentícios; adequação ao uso de produtos da linha 3M Food Safety; e a viabilidade técnica.

Firmenich

O grupo formado por Camila De Sousa Silva, Leticia Inglez Martines, Mariana Yumi Saito, Caio Vinícius Pereira Marcelão, Nicole Delmiro e Otávio Firmino Zanutto, além de outros seis grupos, integrados por alunos dos cursos de Administração e Engenharia de Alimentos, participaram da primeira edição do Desafio Firmenich FTT, que consistiu no desenvolvimento de uma startup para produção, de forma inovadora, de mortadela, linguiça, presunto e salsicha, que tivessem em seus valores a sustentabilidade, saudabilidade, qualidade, inovação e ética.

Esses valores tinham que estar expressos na redução de sal, na utilização de alguns tipos de conservantes naturais, utilização de aromas da própria Firmenich e com redução do preço final para o consumidor. A avaliação foi feita por gestores, gerentes comerciais, de qualidade, marketing, recursos humanos, aromistas e líderes do segmento cárneo da empresa.

O desempenho dos alunos da FTT foi muito alto sob a ótica da qualidade dos trabalhos e nível de detalhamento, e surpreenderam os executivos da empresa de tal forma que a Firmenich ampliou a premiação para três grupos, ao invés de apenas um, conforme proposta inicial. A empresa ficou tão satisfeita com os resultados que pretende desenvolver o Desafio em outros países onde possui operações.

Para os alunos, um dos destaques desta ação foi o trabalho em equipe com colegas de cursos diferentes. Para futuros administradores, conhecer os detalhes de desenvolvimento de um produto alimentício foi enriquecedor. Já para os futuros engenheiros de alimentos, participar da análise real de viabilidade financeira e mercadológica foi importante para o amadurecimento profissional. Para todos, portanto, o Desafio Firmenich proporcionou uma experiência bem próxima ao dia a dia das organizações.

Sobre a Faculdade de Tecnologia Termomecanica

Fundada em 2002, integra o Centro Educacional da Fundação Salvador Arena (CEFSA), instalado em quase 140 mil metros quadrados. O CEFSA conta com laboratórios, salas temáticas, rede de bibliotecas interativas, ginásios poliesportivos, conjunto aquático, campo de futebol, pista de atletismo, estação agroambiental e um teatro com capacidade para 600 pessoas. Em 2018, a FTT recebeu R$ 19,3 milhões em investimentos e encerrou o ano com 958 alunos ante 788 no ano anterior. Metade dos alunos dos cursos de graduação da FTT vem de famílias com renda per capita mensal até 1,5 salário mínimo.

Sobre a Fundação Salvador Arena

A Fundação Salvador Arena é uma instituição civil, de direito privado e sem fins lucrativos criada em 1964 pelo empreendedor Salvador Arena (1915-1998), para manter atividades voltadas à transformação social nas áreas de educação e terceiro setor. Entre 2002 e 2017 a Fundação aplicou mais de R$ 620 milhões em iniciativas para o fortalecimento do terceiro setor brasileiro e em projetos sociais nas regiões da Amazônia, Baixada Santista, Grande São Paulo e Interior, Minas Gerais, Rio de Janeiro e semiárido nordestino. No ano de 2018 a FSA investiu R$ 53,2 milhões em projetos próprios que visam a transformação social por meio da educação, beneficiando 2.733 estudantes da educação infantil, básica, técnica e superior.

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios