Evento

DP Tech Summit: os desafios de transformação digital de Ha-ganá e Ri Happy e a relevância do People Analytics

Durante três dias, evento online da unico reuniu os maiores especialistas do Brasil com dicas para reinventar o departamento pessoal com o uso da tecnologia

A unico, IDTech que desenvolve soluções para simplificar as relações entre pessoas e empresas, reuniu no DP Tech Summit os maiores especialistas de RH do país com dicas para reinventar a área de departamento pessoal e torná-la mais TECH (Transparente, Eficiente, Completa e Humana).

Para contar como as empresas podem reinventar suas práticas de DP em cenários diferentes, o terceiro dia de DP Tech Summit teve Katherine Papadopoulos, product manager da unico, Rogério Nunes, diretor de Capital Humano da Haganá, e Rodrigo Froes, gerente de Serviços de RH do Grupo Ri Happy.

A partir de um case de um grande varejista, Katherine mostrou como o unico | people contribui para processos de admissão mais eficientes e satisfatórios para os funcionários. “As empresas falam muito sobre a melhor jornada para encantar o novo colaborador de imediato. Quando trazemos para ele a experiência digital, a primeira mensagem que estou passando é que me preocupo com o fato de ele não precisar se deslocar, tirar xerox de documentos”.

O desafio da Haganá era levar a tecnologia para facilitar o dia a dia da gestão de pessoas. “O nosso processo antes tinha a impressão de mais de 20 mil folhas entre cartão de ponto, comunicados, avisos de férias, para mandar via malote para o departamento separar os documentos, encaminhar para o supervisor operacional, que fazia a distribuição desses documentos nos postos de serviço”, explicou Rogério Nunes. Depois de colher as assinaturas, era feito todo o processo inverso até arquivar a papelada.

“Com a tecnologia, eliminamos o deslocamento e facilitamos o processo da entrega de documentação. De onde o funcionário está, de casa, consegue postar todos os documentos e o profissional de RH vai acompanhando na plataforma. Ganhamos agilidade e tempo”, complementou Rogério.

No caso da Ri Happy, o processo de contratação de quatro mil funcionários temporários durante os meses de outubro a dezembro envolvia até 39 profissionais da área de RH.

Segundo Rodrigo Froes, “antes da automatização tínhamos um time de recrutamento que fazia o processo de seleção até a conferência dos documentos. Após a conferência, eles eram entregues para o time de administração de pessoal, onde era feito o cadastro no sistema e envio dos contratos para as lojas. Toda a documentação era feita para cada um dos colaboradores e enviada por e-mail. A experiência do candidato era muito ruim”.

Com o uso do unico | people, Rodrigo destacou que a Ri Happy conseguiu melhorar os processos internos, com as admissões passando de sete para quatro dias e potencializando a entrega de indicadores da área.

People Analytics: um mindset ou uma nova função?

O segundo painel do dia reuniu Luana Santos, gerente de Operações de RH e People Analytics da Dasa e Thiago Buselato, gerente de People Analytics da Zup, em uma conversa com Jessica Martins sobre a relevância da área para entender o capital humano da empresa.

Thiago ressaltou que a área vem ganhando destaque, justamente por trazer reflexões sobre o perfil dos funcionários. “É a ciência de olhar para as pessoas que vão entrar na empresa e as que já estão e identificar características, pontos em comum, como alavancar a carreira de pessoas e potenciais pedidos de demissões”.

Luana Santos mostrou a efetividade da análise para a tomada de decisão e o futuro da empresa. “Deixamos de achismo e agora trazemos para a realidade de dados a percepção dos assuntos. Hoje, a área de DP desburocratiza dados e traz o olhar de análise, pensando em contratação ou desligamento para os próximos meses através do People Analytics. É correlacionar esses times para ter sinergia nos processos”, contou.

Como dicas para iniciar o trabalho na área, Thiago sugeriu olhar quais são as dores que estão sendo discutidas dentro da empresa. “É onde os executivos estão olhando. É mais fácil de ganhar visibilidade, deles comprarem a ideia, os resultados e começarem a aplicar as análises apresentadas”. Já Luana recomendou começar pelos dashs básicos: “eu começaria com o que eu tenho, respondendo esse o que no dia a dia. Pela minha vivência, você consegue conquistar a alta liderança”.

Destaques do segundo dia

No segundo dia de DP Tech Summit, Samanta Oliveira, DPO da unico, abordou os impactos da Lei Geral de Proteção de Dados na rotina do DP. A conversa com Jessica Martins, cofundadora da plataforma RH Prime, mostrou como a tecnologia oferece uma experiência transformadora no processo de onboarding de um novo candidato e segurança no armazenamento de dados para as empresas.

Já Marina Souza, da Veirano Advogados, explicou os reflexos do eSocial no pós-pandemia. A ferramenta é utilizada pelas empresas para transmitir informações trabalhistas, previdenciárias e tributárias de forma integrada para o governo federal. No processo de admissão de candidatos, o unico|people faz a validação dos novos colaboradores na plataforma em poucos minutos.

Destaques do primeiro dia

O primeiro dia de evento contou com Diego Martins, CEO e fundador da unico e Marcelo Nóbrega, Top Voice no Linkedin e conselheiro na Vee Benefícios no painel de abertura ‘Seja protagonista da transformação digital da sua área!’, mediado por Jessica Martins.

Na segunda conversa do dia, Sofia Esteves, fundadora e presidente do conselho do Grupo Cia de Talentos e Jessica Martins trouxeram dicas de como planejar a carreira em Departamento Pessoal.

Confira todos os vídeos no site: https://dptechsummit.com.br/transmissao/.

Botão Voltar ao topo