Comportamento

Guiabolso adota home office e medidas de apoio a colaboradores e a outras empresas

Com o aumento de casos do novo coronavírus, fintech tomou uma série de ações para garantir a saúde mental dos colaboradores e familiares, além de um ambiente estável no trabalho remoto

Após o aumento de casos do novo coronavírus (COVID-19), a fintech Guiabolso resolveu adotar entre os dias 16 e 24 de março o esquema de trabalho de home office, em que as pessoas trabalham de casa e evitam o máximo possível o contato com aglomerações. A empresa, porém, tomou algumas medidas de apoio aos colaboradores para garantir que haja uma estrutura saudável de trabalho remoto nos próximos dias.

“O aumento dos casos tem sido rápido, o que torna o tempo de ação das empresas muito curto. Ainda assim, é preciso refletir sobre alguns cuidados para adotar o novo esquema de trabalho”, diz Katima Minzoni, head de Pessoas do Guiabolso. “Temos percebido uma intensa troca de experiências entre empreendedores nacionais e de outros países e achamos interessante divulgar os detalhes na adoção do home office para que outras empresas que ainda não tiveram mudanças se inspirem.”

Segue o detalhamento do que foi feito pelo Guiabolso:

 

  1. Entendimento da estrutura de trabalho das pessoas

Na quinta-feira, 12, antes de adotar o trabalho remoto, o Guiabolso fez uma reunião com seus líderes falando sobre como a empresa iria se preparar para o período e dando orientações sobre a doença.

Foi passado um formulário a todos os colaboradores para entender se as pessoas tinham estrutura em casa para trabalhar remotamente e com vídeo chamadas, se tinham ambiente em casa para trabalhar focados e se enxergavam algum impeditivo para isso dar certo.

  1. Material de apoio e um dia de preparo

Na sexta-feira, 13, foi feita uma nova reunião com a liderança na qual foi comunicada a decisão do trabalho remoto. Foi apresentado um plano de ação para os próximos dias e um guia básico sobre saúde e trabalho remoto.

Os líderes ficaram responsáveis por preencher na própria sexta-feira uma planilha com todos os processos que eles executam e se haveria alguma dificuldade de eles serem feitos remotamente nos próximos dias ou semanas. Além disso, apresentaram pras suas equipes o guia básico de saúde e trabalho remoto.

Também neste dia de preparo, a fintech trabalhou as dificuldades relatadas pelos funcionários via formulário, como acesso limitado à internet. Além disso, a equipe de tecnologia se mobilizou para dar suporte técnico e garantir que todos tinham acesso em seus notebooks a todos os sistemas usados no dia a dia de trabalho.

  1. Orientações e adoção de salas para cada time

Na segunda-feira, 16, pela manhã, já adotando o trabalho remoto, foi feita uma reunião via Hangouts, do Google, com todos os Guias. O time de pessoas juntamente com o CEO do Guiabolso, Thiago Alvarez, deu orientações sobre a doença e o trabalho remoto. Foi falado, por exemplo, sobre o telefone do plano de saúde para contato em caso de dúvida sobre a doença, o novo chat no canal interno da empresa para que as pessoas falem sobre o tema, os pontos de contato para a resolução de problemas (como serviço de motoboys e suporte técnico), entre outros assuntos.

Todas as reuniões foram mantidas, via Hangouts, com a sugestão de colocar a câmera do vídeo aberta. Entre os aprendizados de empresas que já adotam home office está o de que a falta de contato com os demais colaboradores, às vezes, afeta a saúde mental da pessoa com o passar dos dias.

Para tentar minimizar esse dano e simular o ambiente do escritório, cada time criou uma sala com todos da equipe. “A orientação é que as pessoas fiquem online na sala, com a câmera aberta e o microfone fechado. Quando precisam dizer algo, é só destravar o microfone e falar. Dá uma proximidade maior ao longo do dia”, explica a head, ao afirmar que nessas horas ver o rosto da outra pessoa faz diferença.

Também foi aconselhado que todos os times colocassem em suas rotinas uma conversa no começo da semana para falar das atividades dos próximos dias, uma reunião diária para falar do próprio dia e uma na sexta-feira para reunir os erros e acertos da semana.

“No caso do time de atração e seleção, estamos aproveitando o período para testar alternativas conectadas com o mercado digital. Já fazíamos muitas entrevistas online, mas vamos executar inclusive dinâmicas remotamente”, afirma Katima.

  1. Apoio aos pais

Ao observar casos individuais e perceber que há muitas pessoas que trabalharão com filhos em casa, o Guiabolso resolveu auxiliar os colaboradores pais. Na quarta-feira, 18, será feita uma roda de conversas online, via Hangouts do Google, com a especialista Deborah Moss, psicóloga formada há mais de 20 anos pela PUC/SP,  especialista do programa Doces Sonhos (Brasil) do Discovery Home and Health, mestre em Psicologia do Desenvolvimento pela USP/SP e especialista em Neuropsicologia pela Cepsic/HC.

“A ideia é dar orientações de como lidar com a criança em casa, além de tirar dúvidas dos próprios pais”, explica Katima.

  1. Acompanhamento diário

Ao fim de cada dia de trabalho remoto, a empresa está passando um formulário de NPS para para entender a evolução do novo esquema de trabalho e como as pessoas estão se sentindo física e psicologicamente, além de observar como tem sido a experiência do trabalho remoto, analisar os dados e resolver problemas que forem surgindo ao longo dos dias.

Semanalmente, às terça-feiras, a empresa irá avaliar se continua o trabalho remoto ou se volta a atuar do escritório em São Paulo.

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar