Opinião

Igualdade de gênero nas empresas, um sonho possível

Cerca de 100 anos – esse é o tempo que vai levar para que o salário das mulheres seja equiparado ao dos homens em cargos iguais dentro das empresas. A constatação é da Organização Internacional do Trabalho

Já a quinta edição do relatório “Mulheres, Empregos e o Direito 2018”, do Banco Mundial, indicava que, naquele ano, 43% da força de trabalho do Brasil era constituída por mulheres, que compõem 50% da população brasileira, porém, com um ponto negativo: a média salarial das mulheres ficava 25% abaixo da dos homens.

Quando falamos sobre igualdade de gênero nas empresas o que não faltam são dados comprovando que ainda temos um grande caminho a percorrer, independente dos avanços já conquistados, surgidos, principalmente, a partir de movimentos sociais globais em prol do empoderamento feminino.

E por falar em poder, uma pesquisa da consultoria McKinsey & Company mostra que empresas com mulheres em cargos de liderança têm chances 21% maiores de ter desempenho financeiro acima da média. Os cálculos da consultoria ainda vão além, pois comprovam que a maior participação feminina no mercado de trabalho e em cargos diretivos tem o potencial de injetar cerca de US$ 12 trilhões no PIB global até 2025. No Brasil, o incremento seria de cerca de US$ 410 bilhões.

Analisando todos esses dados, a questão que precisa ser equacionada é: o que falta para que as empresas reconheçam, de uma vez por todas, a importância da promoção da igualdade em seus quadros funcionais e para que comecem a agir em favor da mudança desse cenário?

Acredito que o primeiro e mais importante passo a ser dado é as empresas estarem dispostas e abertas a contratar pessoas diferentes, equipes plurais, que trazem mais inovação e criatividade aos ambientes corporativos. As companhias precisam de pessoas com pontos de vistas diferentes, com habilidades emocionais diversas, que se adaptem facilmente às variadas formas de trabalho que o mercado atual exige, que priorizem novas formas de fazer gestão e que tenham capacidade de liderança com um olhar voltado a soluções e à gestão de riscos.

Na sequência, vem outra questão: como é possível saber antecipadamente se os profissionais têm todos esses diferenciais? A resposta é: usando a tecnologia, que, além de otimizar os processos de seleção e promoção, também reduz o preconceito e os vieses inconscientes.

Nosso trabalho é apoiar as empresas que querem se beneficiar dos atributos proporcionados pela diversidade. Tanto que oferecemos uma plataforma de avaliação de talentos que contribui para aumentar a diversidade da força de trabalho e reduzir o viés inconsciente nos processos de tomada de decisão, seja no momento da seleção ou da promoção.

Acreditamos que, além de dar oportunidades para aqueles que fazem parte dos grupos de diversidade (mulheres, LGBTQIA+, negros, idosos, etc.) o mais importante é reter e qualificar esses profissionais para que ascendam profissionalmente dentro das empresas, de forma que eles possam apoiá-las no processo de crescimento em seus mercados de atuação.

Nesse processo pela valorização da diversidade nas empresas, a área de Recursos Humanos tem função primordial, já que é, literalmente, a porta de entrada dos profissionais nas empresas. Então, para o Dia da Mulher, meu desejo é que os líderes, juntamente com suas áreas de RH, assumam o compromisso de mudar essa realidade, contratando e promovendo mais mulheres, porque a vontade de mudar é o primeiro e mais importante passo nessa caminhada de transformação da sociedade e das empresas para que se tornem mais inclusivas e justas. E que os números dessa desigualdade fiquem apenas na história de nosso país, como uma lembrança que deve ser esquecida e jamais enaltecida.

Por Taís Rocha de Souza – psicóloga e diretora de Operações do Grupo Soulan.

Botão Voltar ao topo