Publieditorial

Índice de absenteísmo: como o RH pode ajudar a reduzir

Índice de absenteísmo: como calculá-lo e reduzi-lo? 

Um dos objetivos das empresas é que os colaboradores sejam produtivos e tenham um bom desempenho em suas tarefas diárias. Essa meta pode ser prejudicada quando os profissionais faltam ao trabalho com muita frequência. Se isso acontece, uma das primeiras atitudes é identificar o tamanho do problema. Para isso, existe o índice de absenteísmo.

Neste artigo, mostraremos o que pode elevar a taxa de faltas entre as equipes. Falaremos também sobre os tipos, como calcular e o que fazer para reduzir o absenteísmo. Acompanhe os próximos tópicos!

O que pode aumentar o índice de absenteísmo?

O índice de absenteísmo revela o número de faltas, atrasos e saídas antecipadas de colaboradores. Ao ser analisado pelos gestores, pode ser descoberto que o absenteísmo gera outros impactos negativos, como: turnover (rotatividade de profissionais), alta taxa de demissão e elevação do custo de funcionário.

Quanto às causas que elevam o índice de absenteísmo, podemos destacar:

  • Doenças emocionais (depressão, síndrome de burnout e ansiedade generalizada);
  • Problemas pessoais (relacionamentos familiares e dificuldades financeiras);
  • Falta de motivação no trabalho;
  • Dificuldades de locomoção (pessoas com alguma deficiência física – PCD) e ausência de acessibilidade na empresa;
  • Assédio moral;
  • Problemas de relacionamento com os colegas de trabalho;
  • Clima organizacional estressante.

Infelizmente, muitas empresas ainda têm dificuldades em lidar com as causas do absenteísmo. De acordo com o estudo “Dados sobre saúde mental no trabalho”, publicado pelo site Gov.br, apenas 67% das organizações oferecem programas que ajudam os profissionais a lidarem, por exemplo, com as doenças emocionais.

O resultado é que 45% dos colaboradores consideram deixar o trabalho por causa do estresse gerado por ele. Em algumas empresas, quando ocorre o desligamento, nem mesmo uma pesquisa é realizada para identificar a causa da saída. Sem esses dados, não há como propor soluções eficientes.

Quais são os tipos de absenteísmo?

Ao observar o índice de absenteísmo, é importante que a empresa categorize a causa das faltas. No geral, existem três tipos de absenteísmo. A seguir, explicaremos sobre cada um deles.

Justificado

O absenteísmo justificado é aquele em que o colaborador informa a empresa com antecedência sobre o motivo da falta. Por exemplo, consultas médicas, necessidade de resolver problemas pessoais ou determinados tipos de licenças.

Esse tipo de ausência permite que a empresa se organize para suprir a falta do colaborador. Talvez solicitando que outro profissional cumpra as tarefas ou estendendo os prazos de entrega de projetos e atividades.  

Injustificado

Diferente do justificado, o absenteísmo injustificado se refere às faltas que não foram avisadas — e os motivos não foram apontados. Normalmente, esse tipo de absenteísmo vem de imprevistos, falta de motivação no trabalho ou insatisfação com o ambiente interno.

Para a empresa, o absenteísmo injustificado gera grandes prejuízos. Um deles é o atraso no andamento das tarefas exercidas pelo profissional faltoso. Além disso, toda a equipe sente uma queda na produtividade. Uma vez que os serviços e projetos dos setores são interligados e dependem que todas as partes cumpram as suas responsabilidades.

Emocional

O corpo está presente, mas a mente não. Essa é a definição do absenteísmo emocional. Na prática, o colaborador comparece ao trabalho e cumpre suas atividades. Porém, não se engaja nas tarefas, contribui muito pouco para o sucesso da equipe, tem baixo desempenho e produtividade.

Esse tipo de falta é difícil de ser identificada e solucionada. Envolve um estudo profundo sobre as causas da apatia do profissional. Podem ser descobertos alguns problemas emocionais ou que o colaborador não gosta de trabalhar na empresa. Não importa a causa, o importante é investigar antes de tomar decisões, como o desligamento.

Como calcular?

O cálculo do índice de absenteísmo é bem simples. Basta relacionar o total de faltas e atrasos com a quantidade de dias e horas trabalhadas pelos colaboradores. A fórmula utilizada é: (total de profissionais x total de faltas e atrasos) : (total de profissionais x total de dias trabalhados).

Vamos a um exemplo com unidade de medida em dias, sem contabilizar atrasos ou saídas antecipadas.. Imagine que a empresa tenha 50 colaboradores, uma jornada de trabalho de 8 horas diárias e uma média de 1 falta por profissional. A quantidade de dias analisados no mês é de 20.

Como esses números, a conta fica assim: (50 x 1) : (50 x 20) = 50 : 1000 = 0,5 ou 5% – índice de absenteísmo. Um percentual aceitável é de 4%. Sendo assim, no exemplo dado, a empresa precisa adotar ações para reduzir a taxa de faltas.

Como o RH pode ajudar a reduzir o absenteísmo?

A área de recursos humanos é responsável pela gestão da frequência dos colaboradores. Por isso, deve estar na “linha de frente” do controle do absenteísmo interno. Para entender o cenário das faltas internas, o RH pode utilizar tecnologias que monitoram a jornada de trabalho, realizam cálculos, elaborem relatórios e planilhas de absenteísmo.

Dessa forma, os gestores irão definir estratégias embasadas em dados em vez de especulações. Mas quais são as melhores ações? Entre elas, podemos destacar:

  • Comunicação aberta: conversas frequentes com os colaboradores sobre como se sentem em relação ao trabalho;
  • Fortalecimento da cultura da empresa: adoção de técnicas que promovam a cultura da diversidade, equidade, igualdade e inclusão;
  • Valorização dos profissionais: políticas de meritocracia e benefícios que mostram o quanto o colaborador é importante para a empresa;
  • Treinamentos e palestras: aulas e eventos que tratem de temas como saúde emocional, assédio moral, conflitos internos etc.;
  • Qualidade de vida: investir na experiência do colaborador (employee experience) e em práticas que potencializam o bem-estar dos profissionais. Por exemplo: happy hours, incentivo a prática de exercícios físicos, horários flexíveis de trabalho etc.

A grande verdade é que gostamos de permanecer em lugares que nos fazem bem. A hora passa rápido e somos tomados de sentimentos positivos. Se esse for o impacto que o ambiente de trabalho tem sobre os colaboradores a empresa pode esperar baixos índices de absenteísmo.

Sobre a Convenia

A Convenia é uma HR Tech com soluções voltadas para otimização de tempo e custos das empresas. Nasceu há alguns anos, com o objetivo de trazer alta tecnologia para o setor de RH, de forma acessível e prática. 

Desde então, trabalha fortemente para que os produtos evoluam com os clientes, pois compreendem que, diminuindo o tempo gasto com rotinas operacionais, as empresas têm mais tempo para as pessoas. 

Atualmente as soluções abrangem admissão digital, férias e departamento pessoal, onde você pode gerir todo seu time em um sistema em nuvem.

 

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo