Gestão

Intraempreendedorismo : quatro passos para incentivar colaboradores a empreender

A inovação deve ser um dos pilares de uma organização e ser constantemente incentivada pelos líderes

A inovação é uma importante ferramenta para empresas terem relevância no mercado, evitar perda de market share e sobreviver perante a concorrência. Prova disso é que o número de empresas que apostam em novas ideias tem aumentado no Brasil. Um levantamento do Google divulgado em agosto de 2021 mostrou que o número de startups (organizações em estágio inicial de desenvolvimento que reúnem pessoas em torno de ideias inovadoras, em busca de modelos de negócios repetíveis e escaláveis) saltou de 5 mil, no ano de 2016, para 13 mil naquele mês no país.

Nesse sentido, ter modelos de trabalho consolidados e pouco flexíveis pode deixar uma instituição atrasada em relação à concorrência. Mas a chegada de 2022 pode motivar novas ideias nas empresas, algo que não deve estar restrito a quem faz o papel de gestor. Por isso, um conceito chave nesse processo é o intraempreendedorismo, conforme explica o especialista em Inovação, Criatividade e Excelência Operacional Marco Santos, da empresa Marco Santos Pro.

Trata-se de um método adotado por empresas quando um funcionário age como empreendedor. Esse processo pode envolver tanto a criação de um novo negócio ou mesmo um empreendimento dentro de uma organização já estabelecida. “Nem sempre é preciso (e nem possível) ter contribuições disruptivas diariamente. A maioria das ações pode acontecer no dia a dia, em melhorias incrementais, que podem ser sugeridas por apenas um colaborador e que, quando somados os resultados dessas ações, observa-se a diferença que faz no final”, explica o especialista.

Conheça quatro passos para aplicar o intraempreendedorismo e estimular novas ideias dos funcionários dentro do ambiente empresarial.

 

1 – Avaliar a cultura da empresa

A inovação deve ser um dos pilares de uma organização e ser constantemente incentivada pelos líderes, conforme explica Santos. “Para uma empresa, é importante uma avaliação sincera de quanto isso faz parte dos seus valores, o que está fazendo para a inovação acontecer e o quanto seus líderes e colaboradores estão preparados”, afirma.

 

2 – Praticar a escuta criativa

Após a avaliação inicial, é necessário realizar o estímulo, a orientação e a prática da escuta criativa, ou seja, quando os líderes incentivam os colaboradores a dedicarem um tempo do trabalho para darem suas opiniões e sugestões de novas ideias. “Nesse processo, é necessário que os gestores entendem a inovação como fundamental para a sustentabilidade da instituição”, acrescenta o especialista.

 

3 – Implantar estratégias

Segundo o especialista, a empresa deve montar um planejamento, que vai direcionar os pontos e desafios principais a serem trabalhados, até a forma como são desenvolvidas as ideias (em grupos de trabalho, participações individuais ou revisão de modelos de remuneração, por exemplo) a partir de desafios estabelecidos. “O caminho deve ser traçado para que o serviço prestado pela instituição gere valor constantemente para o consumidor. Para isso, todos os setores da empresa precisam entender essa importância e participar ativamente do processo”, diz.

 

4 – Incentivar a mentalidade ativa do colaborador

Cada funcionário, dentro do método do intraempreendedorismo, também precisa contribuir nesse processo, já que deles também dependem os esforços para que essa cultura seja uma realidade. “O colaborador precisa entender que é parte do sucesso de uma empresa e que essas práticas também fazem parte de seu êxito enquanto profissional. Para isso, se faz necessário estudar constantemente dentro de sua área de atuação, buscar melhoria contínua e não se acomodar”, diz Santos. As instituições podem indicar aos colaboradores cursos do mercado voltados para a inovação.

 

Botão Voltar ao topo