Boas práticas

Kimberly-Clark se destaca na equidade de gênero

Um dos compromissos da gestão global da companhia é a de trazer a equidade de gênero como parte das metas de negócio

Reconhecida há mais de 10 anos como uma das melhores empresas para se trabalhar (GPTW), a Kimberly-Clark Brasil continua evoluindo em oferecer igualdade de oportunidades a todos os gêneros.

“Estamos avançando nosso apoio para tornar a gestão da companhia equilibrada em igualdade de gênero e temos promovido cada vez mais iniciativas para estimular nossos colaboradores a participarem juntos desta transformação”, reforça Alessandra Morrison, Diretora de RH da Kimberly-Clark Brasil.

Um dos compromissos da gestão global da companhia é a de trazer a equidade de gênero como parte das metas de negócio – hoje, 42% das pessoas que fazem parte dos cargos de diretoria são mulheres, ou seja, no Brasil, a meta, que era de 31% para 2018, foi superada. Atualmente, 39% dos cargos de liderança são ocupados por mulheres.

Além do cuidado com a carreira, a Kimberly-Clark também incentiva o equilíbrio entre vida pessoal e profissional por meio de ações como, horário flexível, sexta curta duas vezes por mês e política de home office.

Outra iniciativa colocada em prática é a extensão da licença parental para prematuros. Para as mães, além dos seis meses de licença usual, no caso de prematuros, a licença garante um acréscimo que pode chegar até a dois meses a mais de licença para a mãe. Para os pais também poderem acompanhar essa jornada, a empresa oferece usualmente 20 dias de licença e no caso de filhos prematuros, pode ganhar até mais 10 dias de prorrogação. Depois da volta ao trabalho, a companhia incentiva à amamentação prolongada com sala de amamentação no escritório e distribuição de kit para extração de leite.

A companhia tem promovido uma sensibilização cada vez maior em áreas onde a equidade de gênero é menor a ampliarem as ações de equidade de gênero. O movimento já tem números relevantes, como na área de vendas, que em 2018, 80% das vagas abertas foram preenchidas por candidatas mulheres. Além disso, para vagas em cargos gerenciais, um dos candidatos na lista final deve ser mulher.

Os números da K-C refletem um cenário em construção no país e as ações começam desde os cargos de entrada – 67% dos estagiários da empresa são mulheres. Segundo a pesquisa Panorama Mulher 2018, feita pela Talenses em parceria com o Insper com 920 companhias com sede no Brasil, na América do Norte ou na Europa indica que somente 32% das empresas brasileiras contam com alguma política interna de igualdade de gênero.

 

 

 

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios