Artigo
Tendência

Líder em época de pandemia

Como inspirar e engajar equipes virtuais e presenciais com estilos de vida, questões pessoais e dificuldades distintas?

Em meio à pandemia, líderes são desafiados continuamente a se reinventar e, em 2021, há um agravante adicional:  as pessoas de um modo geral estão cansadas das restrições, do distanciamento social, da pouca previsibilidade dos negócios e do excesso de home office.

Sabemos que a pandemia trouxe uma intensidade maior dos casos de ansiedade e depressão. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS-2020), o Brasil é o país com a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade no mundo e o quinto em casos de depressão.

Como inspirar e engajar equipes virtuais e presenciais com estilos de vida, questões pessoais e dificuldades distintas? Quais habilidades o líder precisa desenvolver para lidar com tantos desafios, muitas vezes imprevisíveis?

Segundo o relatório de 2020 do Fórum Econômico Mundial as 15 habilidades que vão estar em alta até 2025 são:

1.Pensamento analítico e inovação 2. Aprendizagem ativa e estratégias de aprendizado  3. Resolução de problemas 4. Pensamento crítico 5. Criatividade 6. Liderança 7. Uso, monitoramento e controle de tecnologias 8. Programação 9. Resiliência, tolerância ao estresse e flexibilidade 10. Raciocínio lógico 11. Inteligência emocional 12. Experiência do usuário 13. Ser orientado a servir o cliente (foco no cliente)14. Análise e avaliação de sistemas 15. Persuasão e negociação.

Leia também: Saúde 4.0, eventos híbridos, e experiência do colaborador – o que tudo isso tem a ver com o pós-pandemia?

Realmente são muitas habilidades, mas o líder não precisa desenvolver necessariamente todas, nem todas ao mesmo tempo. Aqui cabe uma análise de sua função, área de atuação, das habilidades que já estão presentes em seu perfil e em sua equipe e, portanto, são delegáveis.

Sabe-se que as pessoas não deixam seus empregos, elas deixam seus chefes. O fator chave para esse sentimento é a desconexão do líder com os liderados e a sua incapacidade de ter empatia com a sua equipe. Em meio à pandemia, com equipes presenciais e virtuais ao mesmo tempo, os líderes precisam estar atentos aos seguintes aspectos:

  • Equilíbrio

Eleve a sua capacidade de autopercepção emocional, aprendendo a reconhecer seus próprios limites. Aprender a se escutar é a palavra-chave. A inspiração do líder nasce de dentro para fora e não ao contrário, portanto procure desenvolver uma rotina equilibrada, com horários flexíveis, alimentação saudável, exercícios físicos, horas de sono e tempo suficiente com a família.

  • Aprendizado constante

O conceito de Lifelong learning reforça a necessidade de uma aprendizagem constante e aí cabe uma reflexão do quanto a liderança se permite aprender a aprender de formas diferentes e aprender a desaprender, como uma maneira de acolher o novo. Seria como ressignificar o processo de aprendizagem como um valor e não uma obrigação, que precisa ser constante e não pontual.

  • Escuta Ativa

Desenvolva a sua capacidade de escutar as pessoas. Ouça com atenção! As vezes as pessoas só querem ser ouvidas, nada mais.

  • Desenvolva a sua presença e cultive a vulnerabilidade, começando por você!

Esteja 100% presente – A presença genuína é percebida e sentida pelas pessoas. Converse sobre os problemas, sobre as coisas que estão difíceis de serem vivenciadas, no âmbito pessoal e profissional. Pode ser que não haja uma solução imediata, mas a sensação de ter um líder acolhedor e autêntico é transformadora.

  • Acolha a diversidade

A pandemia descortina uma realidade latente: As pessoas têm formações, valores, níveis socioeconômicos diferentes. É necessário abraçar as diferenças e transformá-las em forças.

  • Gerencie o clima da equipe de forma contínua. Use pesquisas de pulso!

Christopher Littlefield, fundador da consultoria Beyond Thank You sugere começar a reunião questionando “Qual é o seu nível de energia hoje: 1 significa que se sentem completamente esgotados e 10 totalmente dispostos?” Faça com que cada um revele o seu número no bate-papo da reunião. Por fim, sempre pergunte se há algo que você ou a equipe possa fazer para oferecer suporte. Se alguém disser um número menor que sete, fale com este profissional depois da reunião, individualmente.

Por fim, desenvolva ações simples e poderosas como reconhecer a equipe e celebrar as pequenas e grandes vitórias!

Por Silvana Mello, especialista em desenvolvimento humano da TCS – Top Creative Solutions

 

Botão Voltar ao topo