Boas práticasDiversidade

Na Semana da Visibilidade Trans, Quali convida colaboradores e influenciadores para contarem suas histórias

Com cerca de 3% dos colaboradores autodeclarados LGBTQIA+, a iniciativa tem como objetivo apoiar a representatividade dessa comunidade

Diversidade e inclusão são pilares prioritários para a Quali, administradora de planos de saúde coletivos, que lançou no final de 2020 o primeiro programa focado no tema, o Quali Plural. Com o objetivo de promover a transformação cultural, o respeito à diversidade e o desenvolvimento de mindset inclusivo da liderança e dos demais funcionários, o programa propõe a realização de oficinas para discutir os desafios de cada público e adaptações para tornar acessíveis e inclusivos todos os seus canais de comunicação. Para celebrar o Dia Nacional da Visibilidade Trans, que acontece nesta sexta-feira (29), a Quali convidou colaboradores e influenciadores a contarem suas histórias pelo IGTV da Companhia. A iniciativa tem como objetivo apoiar a representatividade dessa comunidade.

“Assumimos o desafio de trabalhar entre os diferentes públicos, internos e externos, as transformações necessárias para nos tornarmos ainda mais inclusivos”, conta a diretora da Pessoas & Cultura, Flávia Pontes. “Os resultados têm sido cada vez mais positivos e não pretendemos parar por aqui. Sabemos da importância da representatividade e da inclusão e temos buscado cada vez mais realizar ações externas, como é o caso dos processos seletivos às cegas, sem que recrutadores e candidatos se vejam, como também internas, em que conhecemos mais sobre os nossos Qualis e respeitamos e valorizamos as diferenças e o jeito de cada um ser”, explica Flávia.

São ações que ficam evidentes em números. No quadro de colaboradores da companhia, 70% são mulheres, 30% são negros ou pardos e 5% são pessoas com deficiência (PCDs), enquanto aproximadamente 3% de pessoas são autodeclaradas LGBTQIA+, como é o caso de Cá Menah, de 25 anos, trans não-binária. Há dois anos na Quali na área Jurídica, Menah recorda que questionava seu gênero desde a adolescência, mas não sabia ao certo como se definir. “Apenas tinha certeza de que não era homem e que um dia me identificaria como mulher”, conta. “Não tem muito tempo que escutei o termo não-binário, quando a pessoa não se entende como homem nem mulher, e passei a pesquisar mais sobre isso em diferentes plataformas. Foi então que minha ficha caiu”, completa Menah.

Foi em junho do ano passado, a partir de uma pesquisa interna da Quali, que Menah diz que passou a se sentir mais à vontade para falar sobre a sua identidade dentro da Companhia. “Me senti mais representade, uma vez que a Quali também readequou a sua linguagem para algo mais neutro”, explica. Desde então, Cá passou a assinar os materiais corporativos como advogade, utilizando a forma neutra, já que não se identifica com nenhum gênero. A atitude, alinhada e aprovada por sua gestora, trouxe a Menah “um incrível sentimento de pertencimento” na Companhia. “Nos afirmarmos e reafirmarmos todos os dias não é fácil e eu luto para que, quem sabe um dia, se torne mais leve”, finaliza.

Série de vídeos-depoimentos LGBTQIA+

Por conta do Dia Nacional da Visibilidade Trans, a Quali trará em seu IGTV histórias de influenciadores e colaboradores transsexuais. O primeiro vídeo-depoimento publicado é o de Cá Menah. O segundo vídeo é de Rodolpho Corrêa (@_rolfis). Sua pesquisa acadêmica está centrada no corpo-cárcere, mostrando o corpo trans em performance. Rodolpho já participou de um desfile na Casa de Criadores, representando sua bandeira com a marca Converse Brasil e faz parte do CATS | COLETIVO ARTÍSTICO – Coletivo de Artistas Transmasculines – @cats_trans.

O terceiro vídeo-depoimento será divulgado na sexta-feira (29), com Bielo Pereira (@hellobielo), apresentadora e empresária Bigênere, Prete e Gorde. A influencer é podcaster em “As Tias Do Pavê” @astiasdopave, além de palestrante e mentora em diversidade e inclusão corporativa. É ativista na luta das pessoas trans contra o racismo e gordofobia.

Botão Voltar ao topo