OpiniãoSegurança do trabalho

O futuro do trabalho pós-pandemia

A preocupação do amanhã é a segurança dos colaboradores em primeiro lugar

A pandemia recente do novo Coronavírus obrigou o mundo do trabalho virtual a acontecer em larga escala. O uso de tecnologias específicas promoveu uma reavaliação global da economia e do mercado de trabalho em suas mais diversas esferas e trouxe o futuro para o agora e causou incertezas sobre o que vem depois. Afinal, quem pode saber?

Não existe uma resposta pronta para esse questionamento. O que sabemos é que o normal não existe mais. Teremos que nos readaptar e observar quais novos padrões de trabalho fazem sentido para cada empresa a partir de agora.

Naturalmente, em tempos de crise, surgem estudos que podem nortear nosso direcionamento e revelar novas tendências de trabalho e comportamento. De acordo com uma pesquisa da Gartner, o aumento do trabalho remoto, a importância da análise de dados e segurança social estão entre as tendências para o momento pós-crise, mas na realidade a hora de observar essas tendências e implementá-las é agora.

Há anos falamos em transformação digital, futuro do trabalho e novos formatos de relação entre empresa – empresário – empregado, então, não podemos esperar pela próxima crise.

Acredito fortemente em alguns direcionamentos que serão adotados daqui por diante, como a redução dos espaços físicos e o modelo de trabalho escalonado. Certamente aumentaremos brutalmente a rotina de home office e com isso fortalecemos a confiança entre as pessoas, além da qualidade de vida dos times. Sem dúvida, para algumas empresas estamos falando de uma quebra necessária de paradigma.

A preocupação do amanhã é a segurança dos colaboradores em primeiro lugar, com a realização de um retorno gradativo, responsável e com todas as medidas de higiene e segurança implementadas, que certamente nos acompanharão por muitos meses.

Outro ponto sensível é a qualificação e a requalificação que evidenciou as consequências da pandemia e devem acelerar a digitalização e a automação em uma variedade de indústrias e setores. Isso exige novos investimentos e mecanismos para aperfeiçoar tanto as habilidades profundamente humanas quanto as digitais. Também é indispensável que os governos construam disposições sobre aumento de qualificação e reavaliação no enorme estímulo fiscal que estão injetando nas economias.

Preparar melhor os trabalhadores para a economia pós-pandemia, visando também a redução do abismo social entre classes, dura realidade no nosso país. Pensando nisso, campanhas e movimentos como, se puder, não demita e priorize o emprego e reemprego, estimulam o apoio ativo aos trabalhadores em risco e desempregados, o que será fundamental para empresas e governos.

Muitas empresas já se dispuseram a fornecer apoio a curto prazo para reimplantar rapidamente trabalhadores cobertos de funções de baixa e alta demanda, como os de logística e atendimento. Nos países em que os governos possuem sistemas para fazer isso em escala e de maneira proativa, os trabalhadores já estão se saindo melhor do que naqueles que não têm.

Vivemos um momento novo, cheio de incertezas, em que a colaboração e o pensamento coletivo tornam-se prioridade e nos apresentam novas formas de pensar, consumir e trabalhar.

Vamos atravessar esse momento desafiador trabalhando em equipe, não apenas nas empresas. A colaboração entre empregadores, governos e trabalhadores, nacional e globalmente, será fundamental para a recuperação do Brasil.

A crise da pandemia da Covid-19 expôs de maneira mais flagrante do que nunca as inadequações e desigualdades no sistema do passado. No entanto, também reorientou as mentes dos líderes globais no valor fundamental da vida humana, no potencial humano e nos meios de subsistência humanos. Um aprendizado valioso como tantos outros neste período de crise sem precedentes. Essa é a janela de oportunidade para investir em nosso bem mais precioso: nosso capital humano.

Por Cesar Rossi, CEO do BWG


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar