Colunista

O gênero dos líderes empresariais será irrelevante mais cedo do que você pensa

Quando eu examino a sala em uma reunião de negócios, fico impressionada por muitas vezes ser apenas uma das poucas mulheres presentes

Vamos ficar desconfortáveis por um momento. Estamos em 2020, mas estamos todos cheios de preconceitos, tanto conscientes como inconscientes, abertos e escondidos. Não estou falando sobre preferir chá ou café, de manhã ou à noite, Debussy ou Drake. As preferências são uma questão de gosto e – se não forem impostas aos outros – não fazem mal.

Os preconceitos, ao contrário, podem infligir enormes danos a um indivíduo ou a um grupo mais amplo. Os preconceitos de que estou falando aqui são as suposições que fazemos sobre grupos de pessoas. Alguns podem estar impregnados, pelo menos, de uma verdade limitada; mais frequentemente, são infundados. Admito pelo menos alguns destes últimos. Como nova-iorquina de fala rápida (nascida lá, criada em Nova Jersey – um lugar que inspira seus próprios preconceitos), houve um tempo em que eu igualei injustamente palavras por minuto com acuidade mental.

Eu me pegava conversando com alguém que tinha um sotaque lânguido e praticamente pulava da minha pele na minha impaciência para levá-las até o final de cada frase. Agora que já trabalhei com pessoas de praticamente todas as regiões geográficas, concluí que vale a pena esperar por alguns insights. Eu também tive um pouco de preconceito em favor de colegas da mesma escola – até que percebi que a maioria das pessoas mais brilhantes que conheço foram educadas em instituições das quais nunca tinha ouvido falar ou que não prosseguiram o ensino superior. Uma palavra de sabedoria para aqueles pais de adolescentes estressados por aí: há vida sem um diploma de uma instituição de ensino de renome.

Há vários anos, ouvi uma entrevista fascinante na qual Shankar Vedantam falou com a psicóloga de Harvard, Mahzarin Banaji, sobre o seu livro Blindspot: Hidden Biases of Good People. Banaji discutiu o caso de Carla Kaplan, que foi ao Hospital YaleNew Haven com uma mão gravemente ferida. Quando Kaplan chegou à emergência, enfatizou que era uma ávida produtora de colchas artesanais e, portanto, queria muito manter o uso total de sua mão. O médico estava dando-lhe um cuidado padrão, perfeitamente adequado, até que um estudante se dirigiu à paciente como “Professora Kaplan”.

Ao saber que a mulher ferida era professora em Yale, o médico parou o que estava fazendo e chamou uma equipe de especialistas. Isso fez toda a diferença para o seu resultado. A entrevista foi útil para mim porque ressaltou que os preconceitos não precisam ser intencionalmente negativos. O médico da emergência não estava tentando prejudicar a professora Kaplan; ele simplesmente estava oferecendo o tratamento padrão para tal lesão. Quando descobriu a conexão de Kaplan com Yale, ele e seus colegas médicos então foram além para assegurar que ela recebesse os melhores cuidados disponíveis.

Isso me fez perceber como é fácil estender uma dose extra de atenção às pessoas com as quais compartilho algum tipo de conexão, sejam elas minha alma mater, amigos ou família, alguém do mesmo gênero ou um outro ponto em comum. Eu não estou prejudicando intencionalmente alguém ao ajudar essas pessoas. Mas será que estou prejudicando involuntariamente alguém ao não fazer esse esforço extra simplesmente porque nós não compartilhamos uma conexão valiosa?

Quando eu examino a sala em uma reunião de negócios, fico impressionada por muitas vezes ser apenas uma das poucas mulheres presentes. Muitas pessoas atribuem o desequilíbrio ao viés de gênero. E eu acho que eles provavelmente não estão corretos apenas pelas razões que pensam. Muitos de nós procuramos por exemplos de homens preconceituosos contra as mulheres. E esses preconceitos existem. Há muitos homens que, mesmo em 2020, não consideram a maioria das mulheres suficientemente inteligentes, trabalhadoras, dedicadas, resistentes e ambiciosas.

Na maioria das vezes, porém, acho que o preconceito vai na outra direção. Os homens estão dando aos homens – inconscientemente, eu gostaria de pensar – tratamento preferencial porque eles sentem uma conexão imediata. E é aqui que eu acho que há esperança de uma mudança real no mundo dos negócios. Finalmente chegamos ao ponto em que os líderes empresariais reconhecem o valor da diversidade. De pessoas que chegam a decisões de ângulos radicalmente diferentes.

Nesta economia do conhecimento, nada importa mais do que ideias – e está se tornando cada vez mais difícil ignorar o fato de que as melhores ideias vêm de equipes diversas. Se todos começam na mesma página, é bastante provável que se mantenham dentro dos limites do livro existente. É fácil ficar preso à retórica da desigualdade quando estudo após estudo demonstra que as empresas mais equilibradas em termos de gênero têm melhor desempenho financeiro. Em vez de nomear e envergonhar as organizações por desequilíbrios de gênero ultrapassados, sou a favor de tomar medidas para dobrar a diversidade em todas as suas formas, começando com o equilíbrio de oportunidades entre homens e mulheres como uma arma não tão secreta.

Não há dúvida de que salário igual para trabalho igual na América corporativa e em todo o mundo é justo, necessário e há muito esperado. Não deve ser considerada uma exigência; é o que todos temos o direito de esperar. As práticas de trabalho, independentemente de estarmos falando de uma empresa da Fortune 100 ou de negócios de pequeno e médio porte, precisam de uma revisão muito mais profunda para abordar a paridade de gênero. É uma questão difícil. As estruturas e os padrões no mundo do trabalho ainda são masculinos, oriundos da era pós-guerra do homem como o ganha-pão e da mulher como a dona de casa.

Apesar dos progressos dos últimos anos, é dolorosamente claro para mim que as mulheres hoje em dia carregam o fardo mais pesado no equilíbrio entre trabalho e família.  As mulheres que fazem mais malabarismos nessa escalada precisam fazer escolhas terríveis e loucas sobre o que, onde e como. A chave é executar programas flexíveis que proporcionem as mesmas oportunidades de carreira, removendo barreiras que mitigam a igualdade no local de trabalho e na sociedade.

Sempre fui uma pessoa pragmática, mas prevejo genuinamente uma época, num futuro não muito distante, em que o gênero dos líderes empresariais se tornará irrelevante. Com a fluidez mercurial dos negócios de hoje, as ambiciosas metas de igualdade de gênero e o fato inescapável de que as mulheres – no mínimo, nos países mais desenvolvidos – estão se tornando igualmente, se não melhor educadas do que os homens, posso prever que as equipes de alta gerência, na maioria das grandes empresas, estejam praticamente equilibradas em termos de gênero até o final desta década. Ocorre-me que trabalhar numa empresa empenhada na igualdade de gênero deu origem ao seu próprio preconceito. Hoje, quando vejo uma organização (mesmo a minha) em que os cargos de liderança são esmagadoramente ocupados por homens, fico desconfiada. Eu penso: o que mais ainda não descobrimos?

Por Marian Salzman, vice-presidente global de Comunicação na Philip Morris International


Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar