O registro de ponto protege o colaborador?

Se o profissional não faz o registro do ponto, ele não tem como comprovar o tempo que dedicou à empresa

Há colaboradores que consideram o registro de ponto uma forma de controle por parte da empresa. Mas a verdade é que esta prática tem garantindo maior transparência nas relações de trabalho. Com o registro de entradas e saídas do profissional, tanto a equipe de colaboradores como o empregador ficam mais conscientes da jornada de trabalho cumprida. E isso só traz benefícios para ambas as partes. Vejamos os três principais:

1 Acompanhamento formal da jornada de trabalho

Se o profissional não faz o registro do ponto, ele não tem como comprovar o tempo que dedicou à empresa. Quando se trabalha horas a mais, por exemplo, ele tem direito a receber uma compensação pelas horas extras. Ou então compensá-las por meio de banco de horas. Mas, quando não há registros formais, esse tempo trabalhado a mais pode se perder pela falta de comprovações.

Da mesma forma, ficam registradas as horas trabalhadas a menos, sejam elas faltas justificadas ou injustificadas. A ausência de registro alerta o RH e o gestor da necessidade de aproximação com o colaborador, tanto para garantir seu bem estar quanto para verificar a aplicação ou não de abonos.

2 Planejamentos financeiro

Além de ser uma maneira de garantir o cumprimento da lei trabalhista, o registro do ponto auxilia empregadores e empregados a planejar os respectivos orçamentos. Sabe aquela sensação de que, perto das horas trabalhadas, você recebeu menos salário do que deveria? Isso não ocorre quando há uma gestão confiável do tempo de expediente.

Digamos que o colaborador esqueça de registrar a presença. Nestes casos, a área de Recursos Humanos poderia entender a ausência de registro como falta quando, na verdade, o expediente foi cumprido normalmente. Essas situações são evitadas com o uso do ponto eletrônico, que facilita o registro de entrada. Mais ainda se ele estiver associado a softwares e processos que descomplicam a solicitação de ajustes e justificativas pelo colaborador.

Para a empresa, o registro de ponto feito eletronicamente empodera o RH. Quando o acompanhamento é realizado com softwares de gestão de ponto em tempo real, o RH consegue calcular as despesas com folha de pagamento simultaneamente aos registros. Não é mais preciso aguardar o final do mês para descobrir o valor a pagar – a informação precisa e atualizada está disponível a todo momento.

 

3 Segurança Jurídica

Os registros de “ponto britânico” não comprovam legalmente o histórico de jornadas do colaborador, é verdade. Mas você sabe como aumentar a transparência do relacionamento entre o colaborador e a empresa?

Com o recurso do registro eletrônico, toda a equipe pode acompanhar o andamento do expediente, dos profissionais aos gestores. O mecanismo também inibe qualquer possibilidade de rasura, o que traz segurança jurídica para o processo e garante o cumprimento da legislação trabalhista.

O Relógio de Ponto Eletrônico precisa receber a certificação do Inmetro, para garantir a confiabilidade. Entre as questões que precisam ser consideradas, no caso dos relógios de pontos eletrônicos, estão: ter selo de identificação, seguindo o padrão estabelecido, emitir comprovante de registro de ponto do trabalhador, constar a assinatura digital das saídas geradas e manter as alterações de dados registrados. Recursos adicionais, como a coleta com biometria 3D, somam à segurança antifraude.

 

Depois da Portaria 373/11 do MTE, as empresas têm liberdade para utilizar sistemas alternativos de registro, como computadores, notebooks, tablets ou smartphones. Mas assim como o Relógio de Ponto Eletrônico, o mecanismo não deve permitir a alteração dos dados registrados e nem a marcação de ponto automática.

Levando em conta essas questões, fica muito mais fácil e seguro fazer o acompanhamento da jornada na empresa. O colaborador pode ficar tranquilo de ter seu tempo reconhecido. E o RH passa a se dedicar ao que realmente agrega valor à empresa: gestão estratégica.

Por Aline Pereira, consultora comercial da Ahgora Sistemas