Opinião

Passo a passo para conseguir uma cultura de alta performance

As OKRs também ajudam a equipe a ter uma ideia mais clara da diferença entre resultados e esforços

Passo a passo para conseguir uma cultura de alta performance

 Um passo inicial é definir a cultura de alto desempenho como um sistema de valores, rituais, exemplos, incentivos e histórias que encorajam as pessoas a atingir suas metas. O cofundador da 3G Capital, Marcel Telles, diz que o caminho é “bater metas, com o time, e do jeito certo.” Em outras palavras, “bater metas” significa, por procuração, alcançar resultados; “com a equipe” demonstra trabalho com o time e somar para a cultura e “do jeito certo”, denota que as principais competências da empresa devem estar intrinsecamente ligadas à sua estratégia e posicionamento no mercado.

Time e família

Uma distinção muito clara deve ser feita em uma organização que deseja promover o alto desempenho: que não seja uma família, mas uma equipe. A Netflix, por exemplo, faz bem sua cultura, quando seu cofundador e CEO, Reed Hastings, afirma que a empresa não é uma família, mas sim um time profissional, em que os líderes escolhem os melhores para serem titulares e, se não performam (vão para o banco de reservas) – diferente de uma família, em que amor é incondicional.

Eu experimentei, em primeira-mão, como a falta de clareza em torno desse conceito pode ser dolorosa para os funcionários, mas não restrita a membros da equipe mais jovens e menos experientes. A garotada, que está em seus primeiros empregos, muitas vezes, nunca viu alguém ser demitido por falta de desempenho.

Eles são muito ligados emocionalmente a outros membros da equipe e confundem a natureza de seus relacionamentos (amigos – versus colegas de trabalho). E tudo bem, até certo ponto – os jogadores profissionais de futebol também são amigos e se unem muito. Eles sabem que pertencer à uma equipe é bem diferente.

Gestão por metas

Outra peça fundamental é o que eu chamo de “Gerenciamento por OKRs”. (Objectives and Key-Results). Se você estiver familiarizado com o tema, notará que eu misturei “Gerenciamento por Objetivos”, que é uma filosofia criada por Peter Drucker, nos anos 60, e “OKRs”, que são um sabor de MBO desenvolvido mais recentemente no Vale do Silício.

Este não é um artigo sobre gerenciamento de metas, então vou me ater ao modo como tudo isso se relaciona a uma cultura de alto desempenho. Nos esportes, os objetivos são muito mais claros. Uma equipe ganha o jogo ou não. As partidas levam a um campeonato e as pontuações são simples e claras. As empresas, por outro lado, podem ser muito mais complexas. Não há definições naturais em preto e branco de ganhar e perder, representadas por alguma Federação Internacional de Negócios. Destilar a visão vencedora da sua empresa em OKRs, claramente mensuráveis, ajuda as pessoas a se alinharem em torno de um norte comum.

As OKRs também ajudam a equipe a ter uma ideia mais clara da diferença entre resultados e esforços, e isso é essencial para o alto desempenho. Mais uma vez, a analogia do esporte profissional: os jogadores sabem que não há sentido em fazer um ótimo trabalho durante a temporada de treinamento e não ganhar jogos, marcar gols e levar para casa o troféu. Mas, nos negócios, as pessoas ficam confusas e tendem a pensar que os resultados não são necessários se os esforços forem intensos e corretos.

Administrar a empresa em ciclos OKRs, de quatro meses, nos quais as pessoas se comprometam claramente com elas, ou seja, com os resultados e projetos e iniciativas, que são esforços. Cada ciclo é composto por uma fase de planejamento em que se estabelecem compromissos de acordo com a estratégia da empresa. Os jogadores refletem sobre o que deu certo, o que deu errado e se preparam para o próximo ciclo. Assim deve ser nas corporações.

Princípios de trabalho

Outra peça fundamental da cultura de alta performance é um conjunto de princípios de trabalho. Algumas organizações chamam de “valores fundamentais”. Não gosto desses termos, porque acho que valores são coisas que tendem a ser vagas, no sentido de que as pessoas diferem muito em suas interpretações. Portanto, eu prefiro chamá-los de “princípios” ou “princípios de trabalho”, pois transmitem a mensagem de algo que funciona como uma constituição.

Tomei muita inspiração nas práticas de contratação da Stripe e da Amazon. Essas duas empresas treinam a maioria de seus funcionários entrevistando habilidades que são direcionadas, deliberadamente, para descobrir se os candidatos se comportariam de acordo com suas visões. A Amazon chama de “princípios de liderança”, se contratados. A Stripe vai mais além: treina os funcionários nas entrevistas para apenas dois dos seus oito princípios, para que eles se tornem altamente especializados e precisos em suas avaliações.

Feedback e elogio

Por último, e não menos importante, acredito que o feedback contínuo e o elogio sejam uma parte fundamental de todas as culturas de alto desempenho. Jogadores de esportes profissionais recebem feedback constante de treinadores e colegas sobre seu desempenho, e parecem absolutamente bem com isso. No trabalho, os líderes têm muito mais dificuldade em fornecer feedbacks construtivos e constantes aos subordinados diretos.

De acordo com nossa experiência em ajudar mais de 140 empresas a criar culturas incríveis, descobrimos que a maioria tem funcionários que desejam ter mais feedbacks no trabalho e não apenas para preencher relatórios.

Espero sinceramente que isso ajude você em sua jornada.

 Por Francisco Homem de Mello, fundador da Qulture.Rocks

 

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios