Pitch profissional: o discurso para a entrevista de emprego?

O candidato precisa entender que está sendo avaliado, portanto ser autêntico nessas horas é a melhor forma de criar sua marca

Apesar das conhecidas habilidades dos profissionais de vendas, raramente eles as usam como forma de persuasão para se venderem em uma entrevista de emprego. Alguns especialistas afirmam que formamos nossa opinião sobre as pessoas em apenas três minutos. Depois disso, buscamos apenas afirmar ou negar aquilo que já estabelecemos como verdade. Sendo assim, não é absurdo dizer que os candidatos precisam causar uma boa impressão e aprender a se vender em um “pitch”.

O pitch de vendas, uma ferramenta muito usada no mundo corporativo, nada mais é do que uma apresentação curta e incisiva, capaz de captar a atenção e despertar o interesse no interlocutor em continuar a conversa. Mesmo sendo algo muito utilizado pelos profissionais de vendas em seu dia a dia, poucos utilizam a técnica para construir o marketing pessoal e conquistar a simpatia do entrevistador. Sou um grande defensor do pitch de vendas na carreira e acredito que, quando bem utilizado, ele pode te diferenciar dos demais candidatos.

Nesse sentido, causar uma boa impressão depende de vários fatores e quando temos pouco tempo para causar uma boa impressão a linguagem não falada, muito conhecida por linguagem corporal, é uma aliada indispensável que vai te ajudar a dizer quem você é. Postura, tom de voz, sorrir, cumprimentar com firmeza e manter olhos nos olhos durante a conversa, são algumas das dicas de linguagem corporal que passam uma boa impressão. Demonstrar que está interessado na conversa e presente naquele momento (sem checar o celular), ser simpático, ter energia e entusiasmo ao falar sobre sua história ajudam a transformar a entrevista em algo agradável para ambos os lados.

Em se tratando da formulação do pitch, o candidato precisa entender que está sendo avaliado, portanto ser autêntico nessas horas é a melhor forma de criar sua marca. De modo geral, tenha uma linha de raciocínio para contar sua história e seja conciso. Comece com uma breve apresentação, seu nome, o que você faz (segmento em que atua ou cargo que possui) e encerre essa primeira frase chamando atenção para a razão de recrutador conversar com você.

Inicie sua história profissional de maneira interessante e chamativa. Os caminhos que você trilhou e as escolhas que fez são formas de dizer quem você é de maneira implícita. Inclua nessa narrativa o motivo de você se destacar enquanto profissional e, finalize explicando para o seu interlocutor qual a sua estratégia para alcançar tantos resultados positivos na carreira. Você não precisa ser especifico na função que exerce e nas atividades diárias, o mais importante do pitch é chamar atenção e despertar o interesse do recrutador.

De modo geral, o pitch de carreira não se faz do dia para noite. Ele precisa ser praticado, lapidado. Não é algo que se faz de improviso. Recomendo que o profissional se dedique a primeiro escrever esse roteiro e treinar em frente ao espelho. Parece bobo, mas quando nos vemos falando conseguimos perceber onde estamos errando, na postura, na entonação. Faça isso até que se torne natural. Em um outro momento, faça a apresentação para amigos e familiares, pessoas de sua máxima confiança. No começo, mais uma vez, parecerá entranho, mas pratique várias vezes até surgir com naturalidade. Aprenda a receber críticas e elogios. Essas dicas irão te ajudar a aprimorar o discurso.

Por fim, peça uma conversa com um headhunter de confiança, alguém que já tenha te entrevistado na carreira ou mesmo um colega que trabalhe com recrutamento. Essa será sua lapidação final. Um profissional de recrutamento vai avaliar desde sua linguagem não falada, até as minúcias de seu discurso. Aproveite essa oportunidade para colher o máximo de feedbacks possíveis. Depois disso, pratique diariamente, no carro, no banho, no espelho. Comprometa-se com o aprimoramento constante.

Eu diria que a confiança e a autenticidade do candidato são os principais fatores para fecharmos uma vaga. Acredite, se você está diante do recrutador é porque seu currículo tem as características técnicas para a vaga, sua personalidade e comportamento será a diferenciação necessária para aquela cadeira. Comece hoje mesmo a construir e aprimorar seu marketing pessoal.

Por Dalton Morishita – headhunter na Trend Recruitment