Opinião

Qual será o perfil do colaborador em 2030?

Por Leonel Oliveira, diretor-geral da Nutanix Brasil

Para entender como será a computação daqui a 10 anos, primeiro pense em como você trabalha hoje e considere como trabalhava há 10, 20 ou 30 anos. Se você tiver a sorte de ser muito jovem, pergunte a um colega.

Os anos 1970. O profissional do conhecimento da década de 1970 tinha um telefone fixo, pilhas de documentos em papel, possivelmente uma máquina de escrever, memorandos para comunicações escritas, uma legião de funcionários, um banco de datilografia e pouquíssimas outras infraestruturas de informação.

Os anos 1980. O escritório se expandiu para incluir os primeiros computadores pessoais e a TI começou a falar mais com os usuários. Houve pedidos dos analistas de negócios para que os dados fossem extraídos dos mainframes e os servidores de médio porte tornaram-se mais frequentes.

Os anos 1990. PCs mais baratos, laptops, web, redes locais, e-mail, telefones celulares e a modalidade cliente/servidor fizeram desta a década um período de alta na produtividade pessoal.

Os 2000 até agora. Os smartphones transbordaram, o WiFi tornou-se onipresente, os tablets dispararam e os funcionários de escritório foram libertados das algemas de suas mesas para serem eficazes em qualquer lugar, muitas vezes selecionando seus próprios dispositivos. Os arquitetos projetam espaços para que os colaboradores esbarrem uns nos outros, façam brainstorming e co-criem com colegas e colaborem com parceiros distantes.

Mas e o profissional do conhecimento em 2030? De onde essa pessoa trabalhará e quais ferramentas ela usará? É uma aposta justa que essa pessoa precisará ser criativa porque ninguém quer competir com a China (ou Indonésia ou qualquer economia de baixo custo) em preço, então a inovação será fundamental. Também é provável que a co-criação e a co-curadoria se tornem mais importantes, então precisaremos de ferramentas e espaços (dentro e fora dos escritórios) que sejam divertidos, descolados e propícios para que a criatividade flua. Aqui estão algumas ideias do que poderemos ver.

Tudo é virtual. Os PCs de mesa desaparecerão quase inteiramente, exceto as estações de trabalho de usuários avançados. A infraestrutura de desktop virtual (VDI) prevalecerá porque os usuários desejarão ver seu ambiente de trabalho por meio de qualquer dispositivo, seja um laptop, tablet, telefone, smartwatch, alto-falante inteligente ou qualquer outro. Podemos esperar capacidade de computação onipresente em todos os lugares: em eletrodomésticos, sistemas de infoentretenimento em carros, talvez computadores de bastão ou cilindro com telas flexíveis, smartphones que podem funcionar como PCs, microfones inteligentes no estilo Star Trek que prendemos em roupas.

O streaming está em todos os lugares. Antes, a falta de suporte para gráficos avançados foi a crítica da VDI, mas esse argumento está se tornando obsoleto. A plataforma de jogos Stadia baseada em nuvem do Google suportará até streaming de 8k a 150 quadros por segundo. Isso pode significar que o computador do futuro voltará efetivamente a ser um terminal burro e com hardware custando talvez centenas de reais em vez de milhares.

Telas imersivas maciças. Com uma qualidade de streaming tão grande, as telas podem ser uma das áreas mais quentes de mudança. É possível que passemos das telas OLED curvas de hoje para unidades de cápsulas imersivas, em que seremos transportados para outro mundo de áudio cristalino e visuais realistas. Seu colega nos EUA se senta virtualmente em um simulacro de uma sala de reuniões ao seu lado e as chamadas são finalmente perfeitas, graças à banda larga mais rápida e aos clusters de roteadores.

Alexa e seus amigos estão vindo até você. Os assistentes de voz se tornarão essenciais para a interface do usuário empresarial, o que significa que podemos controlar tudo de qualquer lugar, sem usar as mãos. Reforçada pela IA, a pesquisa será simplificada. Não consegue encontrar tal arquivo? Basta dizer: ‘Computador, encontre-me aquele documento que escrevi sobre computação de usuário final em 2030’… e aí está.

Computação instantânea. Sequências de inicialização mais rápidas auxiliadas por memória avançada tornarão a computação ainda mais ágil. O armazenamento se torna menos importante se o streaming dominar, mas o NAND Flash e tecnologias semelhantes ajudarão com o armazenamento em cache e buffer rápidos.

Autocorreção autonômica. A segurança e a detecção de erros avançarão até o ponto em que as chamadas de suporte técnico serão reduzidas a uma memória média avançada, à medida que a IA e o Machine Learning detectam e antecipam sinais de falhas ou vulnerabilidades iminentes e agem sem a ação do usuário.

Potência de longa duração. Químicas avançadas de bateria permitirão que os computadores funcionem por dias a fio, enquanto o carregamento solar e sem fio se torna onipresente.

Entrada mais rápida. Ferramentas como o Otter oferecem a capacidade de transcrever notas de reuniões com alto grau de precisão, enquanto o Zoom oferece um serviço de transcrição para sessões de conferência. Espere mais automação de tarefas administrativas, como armazenar arquivos automaticamente em um local lógico ou antecipar as próximas ações com base no comportamento anterior.

Casas que parecem escritórios, escritórios que parecem casas. Por 20 anos, os designers criaram espaços de escritório que trazem o “jovem adulto” em todos nós. Salas de jogos, sofás confortáveis, salas de exercícios e pistas de corrida são abundantes, mas agora a maré está mudando, à medida que os especialistas em design descobrem como trazer recursos de trabalho para espaços domésticos. Portanto, fique atento a cápsulas e mesas retráteis, camas que se transformam em espaços de trabalho, TVs que se transformam em telas de computadores e muito mais.

Parte disso pode parecer bastante futurista e a verdade é que é difícil prever o progresso com alto grau de precisão, mas pense em como a vida profissional mudou ao longo das décadas e essas ideias estão longe de ser absurdas. Para vencer a batalha pelo talento, as empresas precisam fornecer ambientes de trabalho atraentes e ótimas ferramentas para a nova geração de talentos. Ao explorar a capacidade humana, as empresas que oferecem mais oportunidades para inovar e dar vazão à criatividade, irão se destacar e conquistar capital humano de grande valor.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo