EventoInclusãoNegóciosQualidade de vidaSaúdeTecnologia

Reatech 2019: inovação e oportunidades no mercado de acessibilidade

Em quatro dias, 52 mil pessoas passaram pela principal feira do setor na América Latina e puderam conhecer tendências e tecnologias de 300 expositores

Produzir conhecimento, divulgar novas tecnologias, discutir soluções, oferecer entretenimento e espaço para relacionamento, dar oportunidade de trabalho e gerar empatia. São com esses objetivos cumpridos que a 16ª Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade encerrou no domingo (16), consolidando sua vocação como principal feira do setor na América Latina. Em quatro dias de evento, 52 mil pessoas circularam pelo São Paulo Expo Exhibition & Convention Center, na capital paulista.

Entre as inovações desta edição, os grandes destaques foram a Casa Conceito (casa adaptada para pessoas com mobilidade reduzida), o Reackathon (maratona voltada a soluções de acessibilidade) e a pista de RadCross (competição para estimular desafios e encontrar atletas em potencial). O público também contou com uma área maior de test-drive com as principais montadoras.Reatech 2019: inovação e oportunidades no mercado de acessibilidade

“A Reatech mais uma vez cumpriu seu papel como espaço ideal de oportunidades, relacionamento, aprendizado e respeito, reunindo público e expositores ávidos por vivenciar e oferecer melhor qualidade de vida a pessoas com deficiência”, afirma Rimantas Sipas, diretor Comercial da Cipa Fiera Milano, promotora e organizadora da Reatech. “Nesta edição, tivemos 10% de empresas novas entre os 300 expositores, o que é um termômetro do crescimento e da importância da tecnologia no mercado de acessibilidade.” A próxima edição da Reatech está confirmada acontecer de 27 a 30 de maio de 2021, no São Paulo Expo.

Casa Conceito

Destacar tecnologias e soluções para o lar e gerar empatia a quem nunca enfrentou problema de acessibilidade foram destaques da Casa Conceito, uma das grandes novidades desta edição, montada dentro do estande da Direct Borrachas. O espaço foi criado pela arquiteta especialista em acessibilidade Gabriella Zubelli, que simulou uma casa com seis ambientes voltada a pessoas com mobilidade reduzida. O público, seja com os olhos vendados ou com uma cadeira de rodas, teve a oportunidade de vivenciar os espaços de uma maneira inclusiva e sensorial.

Jéssica Jacqueline, diretora da Direct Borrachas, afirmou que, até sábado, penúltimo dia do evento, quatro mil pessoas visitaram a casa, e foram fechados três projetos grandes de casa acessível adaptada. “É sensacional a experiência de estar na Reatech, tanto para nós, expositores, quanto para o público. Recebemos muitos consumidores finais, construtoras, arquitetos, engenheiros, um público muito abrangente. Pelo número de pessoas que passaram por aqui, e pelas conversas que tivemos, o saldo é muito positivo. Temos a consciência de que colheremos mais frutos depois da feira e a de que estaremos juntos, sem sombra de dúvida, na próxima edição”, declara Jéssica.

Reatech 2019: inovação e oportunidades no mercado de acessibilidade

Reackathon

Se competir é mais importante do que ganhar, fazer o bem é ainda mais importante do que competir. Esse foi o espírito do Reackathon, maratona voltada a soluções de acessibilidade, outra grande novidade desta edição. Com o tema “Tecnologia Assistiva para Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida”, a competição acabou se transformando em uma ação integrada por ideia dos próprios competidores, que passaram a ser colaboradores.

Cerca de 40 mentores e participantes somaram esforços e apresentaram, no último dia de feira, os três projetos considerados mais inovadores e viáveis para o mercado de acessibilidade. São eles o Opus (plataforma que atua como rede social para deficientes e não deficientes, para a troca de informações variadas), o Movimentos Mágicos (óculos que usa recursos de Realidade Virtual para criar um ambiente lúdico para crianças em fisioterapia e terapia ocupacional) e o Narota (aplicativo que usa tecnologia GPS para ajudar deficientes virtuais a mapear seus caminhos e apontar situações positivas e negativas nas rotas em tempo real).

Daniel Takaki, facilitador do Reackathon, afirma que a faixa etária dos participantes variou entre 18 e 45 anos, o que mostra que tanto estudantes quanto profissionais consolidados no mercado importam-se com soluções mercadológicas para o segmento. “Tivemos um grande apoio da Cipa Fieira Milano e de vários expositores, entre eles Atento, CIEE e Dorina Nowill, que nos ajudaram a alcançar resultados inovadores por meio da colaboração”, diz Takaki.

“Se todas as feiras tiverem essa percepção e delicadeza de agregar pessoas dispostas e com capacidade de construir, muitas coisas vão surgir para melhorar a qualidade de vida das pessoas”, afirma Bruno de A. Bisogni, desenvolvedor, que já competiu em 45 hackathons e levou 11 prêmios para casa. “Nós não estamos preocupados com o dinheiro. A gente quer estar num ponto de ônibus e ver uma pessoa usando um aplicativo que desenvolvemos. Isso não tem preço.”

RadCross e Espaço ADD

Competidores em cadeiras de rodas disputando entre si e contra o tempo, em uma pista repleta de obstáculos e rampas. O campeonato de RadCross para cadeirantes, espaço organizado pela empresa LIVRE, especializada em equipamentos assistivos, foi sucesso de participantes, com dois torneios amadores e um profissional, e de público.

Ainda na área de esportes, pelo 12º ano consecutivo, a feira contou com o Espaço ADD – Arena Sports. Nesse local, concomitantemente à feira, foram realizadas diversas atividades esportivas voltadas às pessoas com deficiência. No total, foram mais de 32 horas de basquete, vôlei, handebol, rúgbi e badminton. A arena também contou com a presença de atletas paraolímpicos.

Test-drives e veículos adaptados

Nesta edição, a organização da feira decidiu ampliar a área para os test-drives, para garantir maior comodidade e segurança para o público, que cada vez mais procura veículos adaptados. Segundo dados da Abridef (Associação Brasileira da Indústria, Comércio e Serviços de Tecnologia Assistiva), nos últimos cinco anos (entre 2014 e 2018), a venda de carros zero km com isenção para pessoas com deficiência mais do que triplicou (de 84 mil para 264 mil).

A General Motors realizou, em média, 120 test-drives por dia de feira com cinco veículos adaptados. Em exposição estática, a GM mostrou a Spin com rampa para cadeirante, onde o usuário é içado para dentro do veículo e faz o trajeto na própria cadeira de rodas. “Temos acompanhado o crescimento do setor de Pessoas com Deficiência pela Reatech e, por isso, o evento é importante para a GM. O fluxo de visitantes foi muito bom durante todos os dias. As pessoas buscaram informações sobre as condições de desconto e oferecemos um bônus de R$ 500 a R$ 1 mil, dependendo do veículo, que poderá ser usado até três meses após a Reatech”, afirmou Kleber Cruz, gerente regional de Vendas Diretas.

A Honda, que participou de todas as edições da Reatech, ultrapassou os 400 test-drives durante o evento. “Neste ano, trouxemos a versão personal do Honda FIT, que tem um sistema de banco (Magic Seat), permitindo a pessoa com mobilidade reduzida ajustar o banco de diversas maneiras. Os porta-malas dos nossos carros também comportam diferentes modelos de cadeiras de rodas, mesmo aquelas que não são dobráveis. Importante destacar que as concessionárias da Honda cuidam de toda a documentação junto aos órgãos competentes, e não é cobrado nenhuma taxa por este serviço”, disse Luiz Henrique Sanches, supervisor de Vendas Diretas.

A Toyota levou o Prius e o Corola para test-drive com acelerador e freio manuais e manopla no volante, além de apresentar 11 acessórios importados “amigáveis” do Japão, que estão testando a receptividade dos consumidores brasileiros, como encostos de banco para lombar, assento giratório (para idosos e obesos), extensor do cinto de segurança e puxador da tampa do porta-malas.

A Mercedes-Benz participou pela primeira vez da feira e afirma que os resultados foram tão positivos que estará no próximo evento. “É a primeira vez que participamos da feira, ela é bem grande para o segmento e foi uma grande surpresa para nós. Estamos apresentando uma tecnologia inovadora na Sprinter e por isso recebemos muitos cadeirantes e também donos de locações de carros interessados em adquirir a van para fazer adaptações para conseguir transportar crianças e adultos. O evento gerou bastante contato e agora vamos ver se conseguimos fechar esses novos negócios nos próximos meses”, destacou Jessica Masana, Analista de Marketing e Comunicação da empresa.

A Renault e a Volskwagen ofereceram test-drive de seus veículos com transmissão automática e direção elétrica. Já a Fiat apresentou, em seu estande, um Dobló com rampa para cadeirante.

Para a Jeep, a Reatech é muito importante porque representa um momento de aproximação da marca com um público que, merecidamente, vem ganhando visibilidade, ainda que haja muito para se conquistar em termos de inclusão e oportunidades, afirmou Fábio Meira, diretor de Vendas Diretas da Fiat Chrysler Automóveis. “Além disso, temos orgulho de ter mostrado na feira dois produtos competitivos e que chamaram muita atenção. No caso, o Jeep Renegade PCD, um dos modelos de maior sucesso nesse mercado, e o Jeep Compass Longitude Diesel, uma excelente opção para o cliente que podemos chamar de PCD Premium”, disse Meira.

A Cavenaghi, que fabrica adaptações em automóveis para motoristas com algum tipo de limitação, apresentou uma modificação que garante total autonomia ao cadeirante. A empresa expôs uma Ford EcoSport com os equipamentos, que ainda estão em fase de certificação. O veículo possui sistema automático para abertura da porta traseira (porta-malas) acionado por controle remoto. Em seguida, uma rampa, também automática, desce. Com os bancos traseiros rebatidos, o cadeirante sobe e se posiciona em frente ao volante, fecha a porta e sai com o carro sem a necessidade de nenhum auxílio. A exigência é que seja uma cadeira de rodas motorizada.

Mônica Cavenaghi, diretora comercial da empresa, afirmou que a Reatech é um momento de encontro de pessoas com o mesmo propósito e oferece possibilidade de relacionamentos com novos clientes. “A organização está de parabéns no sentido da estrutura da feira. Eu vejo uma feira mais profissional, que era uma demanda que a gente já pedia há muitos anos. Nós somos muito parceiros da Reatech, é um evento muito importante pra nós, e vamos voltar a pensar juntos em novas soluções”, afirmou Mônica.

Mercado de trabalho

Em um país com mais de 45 milhões de pessoas com deficiência, a maioria capaz de contribuir plenamente com a economia, oferecer meios para a entrada ou a reinserção no mercado de trabalho é essencial para uma feira como a Reatech. Essa necessidade se faz mais presente ainda quando 60% das pessoas com deficiência que desistiram de seu último trabalho citaram a falta de perspectiva de carreira como um dos principais fatores para a decisão, segundo pesquisa realizada pela i.Social, em parceria com a Associação Brasileiras de Recursos Humanos e a Catho.

Para Maiara Tortorette, coordenadora de Marketing da Catho, empresa de classificados online de currículos e vagas, a Reatech foi extremamente positiva na divulgação da marca e no relacionamento. “Nosso objetivo com o evento foi divulgar a gratuidade da plataforma e o movimento Minha Vaga Por Direito. No perfil dos contatos, conversamos muito com profissionais com deficiência, que queriam se cadastrar gratuitamente na nossa plataforma, bem como as empresas que estão em busca desses profissionais”, diz Maiara.

Sorteio

Outro destaque da feira foi o sorteio do OrCam MyEye, uma das tecnologias de visão artificial mais avançadas do mundo. O aparelho, que pode ser acoplado a um óculos, fotografa, escaneia e transforma, de forma instantânea, textos de qualquer superfície em áudio. O sorteio foi feito pela Mais Autonomia, empresa que comercializa o produto no Brasil.

Seguro inédito

A Sompo Seguros, única seguradora presente na feira, apresentou um serviço inédito: único seguro no Brasil para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. “A nossa participação na Reatech foi muito positiva. Tivemos a oportunidade de mostrar que a companhia tem inovado para trazer soluções únicas no mercado. Nosso estande foi muito visitado, éramos a única seguradora no evento, com um produto único”, afirmou Marcio Martinati, superintendente da Sompo Seguros.

Paralelamente à área de exposição da feira, as palestras, cursos e workshops consolidaram o caráter especializado e de desenvolvimento do setor como o Reasem, Seminário de Tecnologia de Reabilitação e Inclusão; o Reamed, Congresso de Medicina Física e Reabilitação; o Tecfisio, Seminário de Tecnologias Avançadas em Fisioterapia e o Reashow, Palestras dos Expositores.

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios