RHs apostam na qualidade e produtividade para gerar maior competitividade

Cada vez mais empresas buscam resultados investindo no potencial do seu capital humano

 

Qualidade e produtividade, fatores-chave para a competitividade, sempre foram preocupação dos setores produtivos, em maior ou menor escala, em diferentes setores, em especial nos países com economia aberta. A qualidade observou diferentes abordagens ao longo do tempo, sendo até hoje essencial para o sucesso de empresas. Com o acirramento da competição, como conseqüência da economia globalizada, a importância da adequada abordagem no trato da qualidade passou a ser uma questão de sobrevivência no mundo empresarial.

O RH da Atento, empresa recentemente eleita pelo quinto ano consecutivo como uma das 20 melhores multinacionais para se trabalhar na América Latina pelo Great Place To Work (GPTW),  acredita que, em relação ao tema produtividade x competitividade, as  empresas são muito cobradas por eficiência financeira e operacional, seja pelo acionista, pelo cliente ou pelo mercado. A perenidade das empresas depende de sua eficiência e resultado, o que está diretamente relacionado à produtividade de seus colaboradores.

Para se ter uma ideia da relevância deste tema para a Atento, de acordo com o RH, os colaboradores são avaliados periodicamente por sua produtividade e por sua aderência comportamental aos valores da empresa. Como resultado desse processo há uma matriz com o mapeamento, por quadrantes, de todos os funcionários da organização, o que possibilita ações de meritocracia e/ou foco em desenvolvimento.

“Se esse processo for transparente a competitividade será reconhecidamente saudável e estimulará os funcionários a buscar um posicionamento cada vez melhor”, acredita a diretora executiva de RH, Majo Martinez Campos.

Majo Martinez Campos, di.
Majo Martinez Campos

Para estimular a produtividade, a empresa implementou uma diretoria executiva de operações, área dedicada ao acompanhamento dos indicadores operacionais. A partir das análises realizadas pelas equipes da diretoria, são realizados estudos de tendências, estabelecidas novas métricas e revisados processos e ferramentas, bem como são utilizadas campanhas de comunicação e de remuneração variável, visando estimular a mudança de patamar e o alcance da produtividade desejada.

A executiva de RH explica que são diversos os programas de qualidade e produtividade existentes que visam elevar os resultados. Estes programas são customizados com seus clientes contratantes, voltados a líderes operacionais e times operacionais, variando de acordo com a natureza do negócio. As áreas administrativas possuem programa de metas que resultam em bonificação a depender do atingimento da meta, com range por nível de cargo.

Ainda de acordo com a executiva, o RH da Atento tem papel fundamental na capacitação dos funcionários, apostando em várias metodologias como a melhor forma de alcançar os resultados desejados. São utilizados recursos como simuladores, videoaulas, gamification, jogos, storytelling, webaula, além de treinamentos presenciais, pois a companhia entende que, para identificar a melhor solução educacional, é necessário entender e analisar o negócio do cliente, o perfil de treinando e o perfil do consumidor final que usará o serviço.

Operação Atento 68

Com cerca de 13 mil colaboradores, a Whirlpool Latin America analisa que produtividade e competitividade são dois conceitos completamente interligados e interdependentes, ou seja, caminham sempre juntos e não há como dissociá-los no negócio. Para ser uma empresa competitiva, saudável e perene, é necessário manter um alto grau de produtividade, com colaboradores capacitados, engajados e focados na qualidade de suas atividades, dos serviços que presta e dos produtos que fabrica. Por assegurar essa harmonia entre produtividade e competividade, a empresa investe fortemente na melhoria de processos internos, bem como na formação, no desenvolvimento e no engajamento de seus colaboradores.

 

Para realizar a gestão do tempo dos colaboradores e estimular a produtividade, a empresa possui um controle de jornada para os colaboradores, possibilitando melhor administração da jornada de trabalho e controle dos bancos de hora. No caso do público horista que trabalha nas fábricas, as jornadas variam de acordo com as negociações legais e regionais de cada unidade, mas cada colaborador tem visibilidade de seu horário de entrada e saída da companhia, podendo controlar de maneira adequada sua carga diária.

Para o público administrativo, em todas as unidades, há flexibilidade em relação ao horário de entrada e saída, desde que respeite os limites máximos de uma jornada diária ou o intervalo entre jornadas. Os colaboradores a partir de nível de chefes e acima são considerados cargos de confiança na companhia e tem flexibilidade para fazer a gestão de suas jornadas de trabalho.

Paulo Miri, vice-presidente de RH, explica que em relação aos os programas de qualidade e produtividade que visam elevar os resultados, a Whirlpool tem como uma de suas prioridades a busca contínua pela melhoria de processos e aperfeiçoamento da qualidade de seus produtos e serviços prestados. Para isso, conta com uma ampla gama de programas que visam ao aumento da qualidade e da produtividade, revertendo em melhores resultados para o negócio.

Paulo Miri - Grupo Whirlpoll
Paulo Miri

A empresa dispõe ainda do Sistema de Gestão Integrada (SGI), que promove auditorias internas e externas continuamente nas operações, com profissionais capacitados para medir a eficiência dos processos e atividades sob o foco das certificações de qualidade, gestão ambiental e gestão de saúde e segurança operacional.

Como forma de avaliar se os colaboradores estão seguindo as normas de qualidade da companhia, a Whirlpool promove avaliação de desempenho do horista, que analisa, entre outros aspectos, se ele atende aos padrões de qualidade, identifica as não conformidades do produto/processo e aciona a cadeia de ajuda quando necessário.

Outro âmbito avaliado é a manutenção da organização e limpeza no local de trabalho, buscando sempre a melhoria contínua dos processos e participando de grupos de soluções. O mesmo vale para os colaboradores mensalistas, cujo desempenho, cumprimento das metas e alinhamento aos processos e qualidade do trabalho são avaliados nos feedbacks semestrais com os gestores diretos.

Miri destaca ainda que a Whirlpool sempre investiu em iniciativas consistentes de educação corporativa. Assim, comprometida com o desenvolvimento contínuo de toda a companhia, desenhou e lançou em março de 2013 a sua Universidade Whirlpool, com a missão de desenvolver competências estratégicas de seus colaboradores para garantir pessoas altamente capacitadas e engajadas para alcançar resultados extraordinários em seus papéis atuais e prepará-los para desafios futuros.

“Temos uma série de desafios para manter saudável a relação entre produtividade e competitividade. Entre eles está a importância de a empresa fornecer ferramentas tecnológicas, investir em inovações de melhorias de processos, gerir melhor o tempo de seus colaboradores e engajar todos os profissionais em prol da eficiência e melhoria contínua, garantindo mais qualidade e produtividade”, aponta.

Já para a Souza Cruz, empresa com 6.600 colaboradores diretos e 240 mil  indiretos, o o maior  desafio hoje é identificar as melhores práticas que permitam equilibrar o estimulo à competitividade e o aumento da produtividade, fazendo isso de maneira que a performance individual e coletiva sejam consideradas. Segundo a diretora de RH, Cátia Porto, é preciso, então, avaliar sempre novas formas para conseguir engajar cada colaborador, objetivando alcançar a alta performance organizacional.

A estratégia de qualidade da organização abrange toda a cadeia produtiva, iniciando na produção agrícola até o consumidor final. Todos os programas são direcionados para cada etapa deste processo, sendo conduzidos de uma forma responsável,  alinhado com as práticas de mercado e certificações, tais como a norma ISO 9001.

Inspirado em metodologias como Seis Sigma, 5S e Gestão de Manufatura Integrada, o modelo promove melhoria contínua, assim como a qualificação de seus colaboradores através de diversos treinamentos internos.

Catia Porto_RH
Catia Porto, diretora de RH da Souza Cruz

Para atingir maiores índices de produtividade com qualidade, a empresa investe fortemente na qualificação interna de seus colaboradores em diversas formas de capacitação considerando o desenvolvimento funcional, comportamental e conhecimentos do negócio. Um exemplo citado pela executiva é a Academia de Excelência com treinamentos funcionais e comportamentais para cargos fundamentais para a operação. Além disso, vale ela ressalta o sistema de manufatura integrada, que busca a eliminação contínua das perdas, obtendo evolução permanente da estrutura pelo constante aperfeiçoamente das pessoas, dos meios de produção e da qualidade dos produtos e serviços. “Senso de propriedade, cultura de melhoria contínua e eliminação de toda e qualquer perda são os pilares de sustentação da nossa produtividade com qualidade”, destaca.