Storytelling no RH: como desenvolver treinamentos mais eficientes

Para aplicar esta técnica no departamento de RH das empresas, é importante seguir alguns passos básicos

Storytelling no RH: como desenvolver treinamentos mais eficientes

Sem dúvida, boas histórias têm o poder de prender nossa atenção. Seja um livro, um filme ou uma série, uma boa narrativa ainda transmite conhecimento. Esta técnica de envolver as pessoas é chamada de storytelling, que significa “contação de histórias”. A técnica, já bastante comum no setor de marketing, começou a ser utilizada também nos setores de RH com o propósito de promover treinamentos mais eficientes e aumentar o engajamento dos colaboradores. Isso tudo faz muito sentido, especialmente por que as narrativas apoiam o fortalecimento da cultura organizacional, seja por meio do compartilhamento de experiências e aumento da assimilação das informações.

Para aplicar esta técnica no departamento de RH das empresas, é importante seguir alguns passos básicos. Primeiro, é fundamental entender o perfil de quem irá participar como “ouvinte” do processo, isso porque a narrativa de um treinamento deve ter aspectos que importam aos colaboradores, para que se estabeleça uma conexão verdadeira com eles.

Conhecer as características do público-alvo, torna mais fácil a próxima fase. Ao escolher qual “história” ou “exemplo” compartilhar, a dica é procurar algumas que estejam relacionadas ao cotidiano dos colaboradores da empresa. Assim, o profissional se identifica com os personagens, cria novas perspectivas e se sente motivado a executar a ação proposta.

Storytelling no RH: como desenvolver treinamentos mais eficientes

Para quem vai aplicar a técnica de storytelling no RH na área de treinamentos, a recomendação é estruturar as capacitações a partir das etapas de introdução, desenvolvimento e conclusão. Desta forma, o processo se torna mais simples, sem perder a eficiência.

A ideia da primeira etapa é criar a conexão com o público e chamar a sua atenção. Já a segunda etapa se destaca pela apresentação dos desafios e transmissão da mensagem. A terceira etapa consiste em convidar os participantes para executar uma ação, que pode ser desde usar um produto, até alcançar metas de vendas ou aumentar a produtividade.

O clímax

Toda a história precisa de um momento-chave, um clímax, inclusive aquelas contadas no âmbito corporativo. Ele representa o ponto alto da narrativa, quando é despertado o total interesse do público para a mensagem. A mesma história pode ter mais de um clímax, em momentos diferentes, para manter os ouvintes atentos e interessados no desenrolar da trama.

Com a atenção dos colaboradores totalmente voltada para a história que está sendo contada, fica mais fácil provocar neles a vontade ou necessidade de colocar algo em prática, que é um dos objetivos das capacitações. Uma organização com treinamentos mais eficientes tem uma imagem positiva no mercado e é reconhecida como referência em gestão de pessoas.

Construindo a história

No livro ‘’O Herói de Mil Faces’’, de Joseph Campbell, considerado um dos principais estudos sobre storytelling já realizados, o autor estudou e identificou padrões comuns entre histórias conhecidas. As etapas das narrativas descritas por Campbell na obra podem servir como base para a criação dos storytellings para treinamentos e seleções em empresas nos departamentos de RH. São elas:

1 – Apresentação do herói

O herói e o contexto em que ele está inserido são apresentados. Saber qual é o seu perfil, cotidiano, dores e anseios faz com que os colaboradores o compreendam rapidamente e continuem interessados na história.

2 – Chamado para o desafio

O personagem principal recebe um grande desafio, similar aos que o público já viveu, está vivendo, ou provavelmente viverá no futuro.

3 – Recusa ao chamado

Nesta etapa o herói pensa em desistir, tomado pela ansiedade e a insegurança.

4 – Descoberta de um mentor

Outro personagem entra em cena, o mentor. Ele ajuda o herói a superar o momento de conflito.

5 – Aceite ao chamado

Motivado pelas instruções do mentor, o personagem principal aceita o desafio.

6 – O herói é testado

Após superar a dúvida e os demais obstáculos do caminho, o herói enfrenta o desafio e sai vitorioso.

7 – Conclusão da trama

É o fim da jornada, momento em que se avalia os resultados das decisões tomadas pelo personagem principal.

 

Por Juliana Bittencourt, Gestora de RH na Ahgora