Sucesso profissional está vinculado à capacidade de ir além das fronteiras

Valéria Molina

Por Valéria Molina

O sonho de qualquer jovem recém-formado é construir uma carreira bem-sucedida e futuramente ser um líder na área de atuação escolhida. Com este objetivo, dedicam-se a concluir a universidade, a fazer especializações, a buscar um emprego com boas perspectivas profissionais e, literalmente, a imergirem nos objetivos e estratégias corporativas para se destacarem e serem percebidos em um ambiente cada vez mais competitivo e desafiador.
O problema de muitos deles é que não percebem desde o primeiro momento que, independente de toda a capacidade de trabalho e de superação, não alcançam, muitas vezes, as posições almejadas porque não se comunicam bem e não estabelecem relações realmente valiosas nem para a empresa e nem para si próprios como profissionais.
A comunicação adequada e eficaz já é um desafio quando a pessoa precisa utilizar apenas seu idioma nativo, com o qual lida e convive desde a mais tenra infância, que integra o seu ser e a cultura de todo o seu povo. Imagine transmitir objetivos, estabelecer relações, motivar pessoas e fazer negócios em outro idioma?
Esta é uma tarefa que deve ser iniciada cedo pelas crianças do mundo globalizado, porém muitos profissionais não tiveram condições financeiras, oportunidade ou interesse em começar este aprendizado na juventude. Neste caso, o melhor conselho é: ‘corra atrás do tempo perdido’ e bem rápido, se deseja se destacar profissionalmente e se tornar um gestor, um líder!
Independente da nacionalidade da empresa, hoje, a maioria já inclui em seus processos de seleção o domínio de algum idioma estrangeiro – o mais procurado é o inglês, seguido pelo espanhol ou outro idioma, que para a companhia seja importante. Neste caso, estes podem ser diferenciais no momento da contratação. Esta proficiência é também valorizada em momentos nos quais é necessário escolher quais são os membros de uma equipe que devem ser promovidos, ter aumentos salariais ou mantidos nos quadros organizacionais em situações econômicas de crise, como o que estamos vivendo atualmente no Brasil.
Por outro lado, a maioria das organizações tem dificuldade em encontrar talentos bilíngues ou poliglotas, tendo que investir em seus próprios profissionais para poder expandir seus horizontes, realizando negócios de compra e venda no exterior.

 

Portanto, será sempre bem-vinda a iniciativa de um profissional que procure seu gestor e exponha seu interesse em aperfeiçoar-se em outros idiomas, além, é claro, de aprimorar habilidades específicas para desempenho de suas funções – uma coisa não exclui a outra – e o custo é acessível. Existem, hoje, bons cursos online para os mais variados idiomas, que podem ser realizados em qualquer lugar e horário, por valores competitivos, que podem ser contratados tanto pela empresa quanto diretamente pelo profissional.

 

Um recente estudo do IDG constatou que 53% dos gestores executivos, 54% dos engenheiros/designers e 59% dos gestores de marketing percebem a necessidade de proficiência em uma língua estrangeira deles e de suas equipes, sendo que 50% deles acreditam que os colaboradores deveriam ir além e ter condições de entender e se comunicar sobre questões técnicas em outro idioma. Sendo assim, há interesse e boa vontade em auxiliar a pessoa a aperfeiçoar-se na comunicação linguística.
Se o profissional não se sente à vontade para falar diretamente com o líder de sua equipe, ele pode e deve levar sua necessidade à área de Recursos Humanos, que tem a incumbência, não só de selecionar e contratar, mas de reter, motivar e investir na excelência dos quadros funcionais.
O importante é mostrar como o novo idioma contribuirá para que se torne um profissional mais completo e apto a contribuir para melhorar as relações e a comunicação com as outras áreas, clientes e parceiros de negócios. Afinal, o foco de todas as áreas de uma empresa – seja administrativa, operacional, técnica, financeira ou de suporte – é contribuir para tornar a empresa bem-sucedida e referência em seu mercado.
É certo que será ouvido e a solicitação será considerada. Pode não ser atendida de imediato, mas contará como ponto positivo para seu crescimento profissional. Se houver recursos para isso e não puder esperar, busque você mesmo evoluir e ampliar sua empregabilidade.

 

A internet tem proporcionado boas experiências e há empresas sérias que oferecem vários cursos a distância para a evolução da comunicação humana em outros idiomas. Você só será um líder se expandir suas fronteiras dentro e fora da companhia. Vá à luta e boa sorte!

 

* Valéria Molina, diretora da Rosetta Stone Brasil, empresa dedicada a mudar a vida das pessoas por meio do aprendizado de idiomas e alfabetização.