Nota do dia

Sustentabilidade como fonte de inovação empresarial

Rebecca Henderson e Steve Wozniak abrem segundo dia da HSM EXPO 2016

Quer tema mais popular do que sustentabilidade? Todo mundo fala disso, todos acreditam que algo precisa ser feito, mas o que as empresas podem fazer e o que, de fato, elas ganham se preocupando com isso? Foram esses os questionamentos que nortearam a palestra “Sustentabilidade como fonte de inovação empresarial”, que abriu o segundo dia da HSM EXPO 2016.

“Além de ser uma fonte de negócios, sustentabilidade é uma maneira de construir significado, envolvimento e uma forma de proteção da marca”, afirmou Rebecca Henderson,  diretora da Business & Environment Initiative de Harvard.

Henderson concorda que atuar de forma sustentável não é tarefa fácil, mas fica bem mais factível quando a empresa tem um propósito. “As pesquisas nos mostram que uma empresa que adota um propósito com foco moral e que seja autêntico tem vantagens que vão do maior envolvimento dos colaboradores ao aumento de lucratividade”, disse.

Mas é preciso paciência, alertou. “O propósito impulsiona a inovação, mas o foco é no longo prazo. Se as empresas decidirem não contratar trabalho infantil, não pagar propina e não destruir florestas para a plantação de sojas, elas podem causar mudanças sociais incríveis.”

E fez-se a Apple

Steve Wozniak falou a um auditório absorto em ouvir as histórias do co-fundador da Apple e de como esse visionário do Vale do Silício enxerga o futuro da tecnologia. Tímido, ele contou que suas primeiras invenções foram ainda na infância e de que usava essa habilidade como forma de se aproximar das pessoas. Foi assim que aos 11 anos montou a sua própria estação de radioamador e, aos 13, construiu o seu primeiro computador.

Tudo ganhou projeção a partir do momento em que Wozniak, que cursava Engenharia, leu por acaso sobre uma tal “caixinha azul” que, acoplada a um telefone, possibilitava a realização de chamadas para qualquer local do mundo. “Fiquei chocado, contei paro o Steve Jobs e começamos a montar muitas delas. Ganhamos o apelido de Nerd e Jobs, que sempre foi um vendedor, achou que devíamos comercializar aquilo.”

Ainda como funcionário da HP, enquanto trabalhava no desenvolvimento da calculadora científica portátil, Wozniak começou a desenvolver o Apple I. “Eu era uma estrela no desenho de computadores. Não falava para ninguém, mas construí um computador em poucas semanas. E eu dava meu projeto de graça porque queria que as pessoas construíssem a minha máquina para mudar o mundo. Mas ninguém se interessava, ninguém achava que o computador seria um negócio rentável. Apresentei o Apple 1 para a HP e implorei, mas eles recusaram cinco vezes”, conta.

Foi então que a dupla de Steve, o Wozniak e o Jobs, lançou a empresa. De semelhança, apenas o prenome. “Ele sempre quis ser uma pessoa importante, que levasse a humanidade para frente. Mas ele não queria estudar, era só uma vontade. Eu tinha minha filosofia de vida, e não tinha importância sucesso nem dinheiro. Para mim, o importante sempre foi a felicidade”, afirma Wozniak, atual cientista-chefe da Primary Data, na Califórnia, e que permanece à frente de seu tempo com estudos sobre o futuro da tecnologia e seu impacto na vida das empresas e das pessoas.

E por falar em futuro, para Wozniak, o desenvolvimento e uso dos veículos autônomos –que trafegam sem a necessidade de motorista- deve ser a grande inovação tecnológica. “É, de fato, a inteligência artificial que, nesse caso, vai ser muito mais segura do que a humana.”

Quando é hora de mudar

Com um currículo que consta a condução com êxito de dezenas de processos de reestruturação – em alguns casos chegou a atuar como CEO interino de seus clientes – Claudio Galeazzi falou sobre os desafios envolvidos nesse trabalho de repensar uma estrutura organizacional. Tudo começa, segundo ele, quando o empresário não tem consciência de que o negócio não terá sucesso futuro a menos que ele se atualize.

Quando ninguém reflete sobre os caminhos, afirmou, os sintomas começam a aparecer, como queda nas vendas e aumento nos estoques, nos custos e nas despesas. E as mudanças devem, se necessário, estarem sobrepostas à cultura e tradição da empresa. “Elas têm de ser respeitadas até o ponto em que não prejudiquem os negócios. Se prejudicarem, têm de ser desconsideradas.”

E é exatamente nesse momento de escassez que se consegue vislumbrar quem são os líderes, afirma Odino Marcondes, sociólogo e consultor. Em sua fala, ele destacou que grandes líderes sempre surgem e atuam em contextos de escassez. “A abundância, pela própria característica, é o território do burocrata, que não precisa criar. Ele apenas transfere. Mas na escassez de recursos, esperança, liberdade e futuro é que são forjados os grandes líderes, a exemplo de Mandela e Martin Luther King.”

Quem financia meu sonho?

Ter um projeto visionário, comunicá-lo de forma apropriada e fazer com que esse sonho alcance o mundo. Esse é o caminho trilhado por aqueles que conseguiram emplacar suas ideias nas plataformas colaborativas. Luis Justo, CEO do Rock in Rio, contou ao público da HSM EXPO o caso do Amazonia Live, um projeto socioambiental que promoveu plantio de árvores no Xingu. O lançamento aconteceu em plena Floresta Amazônica, com orquestra sinfônica e cantores internacionais.

“Isso mostra que se você tem um propósito que gere reputação e credibilidade e sabe como divulgar isso, consegue adeptos. O caso da Amazonia Live foi pensado para ser uma plataforma colaborativa com um projeto grandioso que surge por conta de um problema que todos conhecem”, concluiu.

 

 

 

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar