Trabalho e amamentação: como conciliar?

Especialista dá dicas de como se preparar para retomar a vida profissional tranquilamente

O retorno ao trabalho é um dos assuntos que mais geram preocupação entre as mães e a família. Com a aproximação deste período, os questionamentos como “Com quem o bebê vai ficar? Será que vou conseguir ficar longe do bebê? Vou continuar a amamentar? Devo parar de trabalhar para cuidar do bebê?”, começam a surgir. De acordo com a consultora em aleitamento materno e embaixadora de Philips Avent, Eneida Souza, todas as mães que precisam retornar ao trabalho após o nascimento do filho passam por dúvidas e inseguranças como estas. “Mas há formas de amenizar a apreensão que essa fase pode trazer e seguir a vida profissional, tranquilamente”, afirma a especialista.

Segundo ela, é importante que, mesmo durante a gestação, a mulher que pretendem retomar a carreira durante o período de amamentação, já tome conhecimento da política de licença para a maternidade e dos benefícios oferecidos pela empresa para mães em aleitamento materno.

Checar se no trabalho haverá à disposição da mãe, um local para retirar o leite a cada três horas ou, ao menos, nos seus intervalos estipulados, é um dos primeiros passos para conciliar os cuidados com a amamentação e a retomada da vida profissional após o nascimento do bebê. “Além disso, é importante a mãe entender que, retomar sua vida profissional, é apenas mais uma escolha pessoal e que ela não deve se sentir mal por isso”, explica Eneida.

Outro ponto relevante é a definição da estrutura em que o bebê ficará após o retorno da mãe ao trabalho. Identificar se a melhor opção será a casa de familiares, uma babá ou um berçário, vai influenciar diretamente no planejamento dos pais. “A escolha precisa ser feita com calma, justamente para que, tanto a mãe quanto a família, possam seguir suas rotinas tranquilamente”, reforça a consultora.

Para aquelas que preferem seguir amamentando após o retorno ao trabalho, a indicação é retirar o leite materno com o uso de extrator elétrico ou manual e armazenar o leite em um recipiente próprio para isto. “Não se deve esquecer de sempre esterilizar, tanto o extrator quanto os recipientes de armazenamento, e ainda, manuseá-los com as mãos higienizadas. Lembrando que o leite materno pode ser conservado em geladeira por até 12 horas ou em freezer, por até 15 dias”, explica Eneida.

De acordo com a especialista, um mês antes de retornar ao trabalho, é o momento ideal para a mãe escolher qual será o melhor método de amamentação para seguir com o bebê e, também, para começar a se preparar psicologicamente para este novo momento. Fazendo isto com antecedência e de forma planejada, a adaptação será melhor e mais confortável para a mãe, o bebê e toda a família.

Por Eneida Souza, parceira de Philips Avent, enfermeira pediatra, consultora em aleitamento materno pela Universidade da Califórnia em Angeles (UCLA-CA)