Aprendizado transformado em resultado pelo RH

RH da Termomecanica investe na tradição da formação contínua para desenvolver as pessoas e os negócios 

Diretora de RH da Termomecanica, Elaine Mattioli é formada em Administração de Empresas com especializações em Recursos Humanos e na área de Gestão. Iniciou sua carreira na área de Recursos Humanos há 33 anos atuando na área de treinamento e desenvolvimento da Siemens e, posteriormente, migrou para a área de remuneração, passando por empresas como TV Cultura, Mangels e Odebrecht, até retornar para a Siemens e assumir diferentes responsabilidades.

Por cerca de 25 anos atuou nas áreas RH no Brasil e na América do Sul, foi responsável pela área de RH na Divisão indústria onde participou de vários processos de M&A, e paralelamente foi Diretora de RH para a PreviSiemens, gestora da Fundação Siemens e corporativamente, na esfera nacional, coordenou as áreas de H&S, Engagement, People Analitycs e People Strategy, até assumir a Diretoria de RH da TM em 2012. Acompanhe a entrevista:

MUNDO RH – Qual tem sido o seu grande desafio no comando do RH da empresa? 

Elaine Mattioli – Nunca vivemos uma situação como a que estamos presenciando atualmente, temos cinco gerações atuando ao mesmo tempo na organização com motivações e aspirações diferenciadas e o nosso grande desafio está em criar um ambiente de trabalho de colaboração, de visão sistêmica e de engajamento que permita que cada profissional possa dar o melhor de si na construção de resultados corporativos.

Ao mesmo tempo estamos trabalhando na transferência do legado para uma “terceira geração” de comando, que a meu ver é o ponto mais importante que estamos vivendo. A Termomecanica é uma empresa que completará 75 anos em outubro próximo e está caminhando para o 3º ciclo de gestão: o 1º comandado pelo fundador, o engenheiro Salvador Arena; o 2º pelos conselheiros nomeados em vida por ele; e, agora, o processo sucessório realizado de forma gradativa. Prestigiamos a prata da casa, portanto estamos trabalhando forte na preparação das novas lideranças. Para isso, implementamos uma verdadeira “Fábrica de Líderes” para que os nossos negócios sejam perpetuados.

MUNDO RH – Em relação à política de desenvolvimento de pessoas, quais foram os grandes avanços ocorridos nestes últimos anos? 

Elaine Mattioli – Em setembro de 2012, implantamos a Universidade Corporativa Termomecanica com o objetivo de oferecer ações de desenvolvimento para os nossos empregados e stakeholders, construindo a ponte entre as competências humanas e organizacionais, alinhadas às estratégias do negócio.

Para que isso acontecesse implementamos o sistema de avaliação de competências, a avaliação de desempenho e o conceito do 9box para que, de forma participativa, identificássemos internamente quais as competências dos nossos colaboradores e, consequentemente, desenvolvemos ações adequadas.

Tudo isso após termos realizado o mapeamento de vários profissionais, através de assessment, que compõem o nosso Talent Pool.

O 9Box tem contribuindo muito para o fortalecimento do entendimento das nossas lideranças quanto as competências e comportamentos que são necessários para desenvolvermos os negócios da empresa no curto, médio e longo prazos, não estamos olhando somente para os níveis de liderança, mas também para as competências técnicas uma vez que os conhecimentos existentes no mercado para a área de transformação e metais não ferrosos é muito restrita.

A trilha de carreira e de educação, também desenvolvida nos últimos anos, permeia toda a organização e contribuirá para que os nossos planos sejam desenvolvimentos com várias mãos.

Além disso, para dar coerência aos programas de desenvolvimento, revisamos a política de remuneração em linha com os demais projetos, infelizmente a situação econômica vivida nos últimos dois anos não nos permitiu a aplicação desta política de remuneração na íntegra, o que deverá ser retomada gradativamente a medida que sentimos o impacto da recuperação do mercado.

MUNDO RH – Destaque as ferramentas encontradas pelo seu RH para promover as ações voltadas para a qualificação dos colaboradores.

Elaine Mattioli – Cada vez mais percebemos o quanto é importante que os nossos colaboradores tenham conhecimentos que possam ser aplicados imediatamente, assegurando que o aprendizado seja transformado em resultado e consequentemente internalizado.

A gestão do conhecimento é um dos programas que estamos implementando nas fábricas com o propósito de reforçar as atividades desenvolvidas no dia a dia e que cada operador possa contribuir com o processo, revisando o material e/ou compartilhando suas experiências, tudo de forma virtual e buscando certificações.

O EAD é outra ferramenta que tem sido muito explorada. De 2012 até o final de 2016 foram 13 mil participações, representando 54 mil horas de estudo. Entendemos que quanto mais você ensina, mais você aprende, nessa direção desenvolvemos o programa de multiplicadores internos fazendo com que os conhecimentos sejam transmitidos de forma a ser utilizados imediatamente.

O treinamento “on the job” é outra ferramenta muito rica e que vem sendo ampliada na empresa e as atividades desenvolvidas no nosso espaço cultural, com um rico acervo de livros, DVDs, Jornais e revistas.

MUNDO RH – Em relação à geração de novos talentos, como o seu RH tem buscado atrair, reter e desenvolver estes profissionais?

Elaine Mattioli – Temos utilizado o programa de aprendizes como uma fonte de desenvolvimento profissional, seja para as atividades operacionais como para as administrativas.

Estamos sempre acima dos números previstos no atendimento das cotas. Afinal, em nossa concepção, o programa tem como objetivo ser a porta de entrada dos profissionais da empresa.

Após um ano de atividades na empresa, os aprendizes têm a possibilidade de nos conhecer bem e aprender o “nosso jeito de ser” e vice-versa, e, com isso, buscamos ampliar a nossa assertividade nos processos de contratação no médio prazo.

Estamos no 3º ano de implantação do nosso programa de estágios, com o objetivo de acelerar o processo inicial da carreira dos jovens que serão o futuro da organização. É o 2º programa que estamos realizando, tem dois anos de duração e uma programação bastante intensa para que eles possam conhecer a empresa de forma ampla e que, ao término do programa, possamos contratá-los na área em que houver a melhor aderência.

Em 2016, para as 12 vagas abertas tivemos mais de 1500 inscritos, diferentemente do 1º programa, demonstrando que começamos a despertar o interesse na região em que atuamos.

Para os dois programas temos uma grade de treinamento e desenvolvimento paralela ao processo de formação com o propósito de desenvolvimento de competências pessoais e profissionais que farão a diferença. Desenvolver a prata da casa, retendo as pessoas é o nosso foco, continuamos trabalhando fortemente no sentido de uma parceria e longa data com os nossos colaboradores.

MUNDO RH – Conte nos um pouco sobre a Universidade Corporativa, e como essa plataforma de ensino tem contribuído para a continuidade da formação dos colaboradores?

Elaine Mattioli – A partir de 2017 todas as ações de treinamento e desenvolvimento estão inseridas na Universidade Corporativa, que tem como missão garantir a perpetuidade da FSA e suas controladas, promovendo o desenvolvimento do capital humano, seguindo os ideais de nosso fundador.

São quatro pilares de que sustentam o foco dos nossos trabalhos: Academia TM, dedicada ao desenvolvimento dos nossos stakeholders; a Escola de CulturaTrabalhando Cultura e Valores; Escola de Gestão, voltada ao desenvolvimento de processos, operações administrativas em geral e das lideranças; e Escola de Operações voltada ao desenvolvimento das atividades técnicas direcionadas aos negócios.

Desde 2012, entre presencial e EDA, foram 23 mil participações, totalizando aproximadamente 60 mil horas de desenvolvimento.  E é com base nisso, que estamos estruturando a gestão do nosso conhecimento a respeito da empresa e preparando os profissionais para o futuro.

O nosso maior desafio ao longo dos anos foi de trazer, onde aplicável, os profissionais para um mesmo patamar de conhecimento no uso de ferramentas e a partir de agora investirmos de forma mais direcionada.

Os resultados começam a aparecer a partir do momento que começamos a monitorar os crescimentos profissionais ocorridos na organização, bem como os avanços no desenvolvimento de algumas competências.

MUNDO RH – Como a alta direção da organização apoia o RH para cada vez mais continuar investindo na qualificação profissional dos seus talentos?

Elaine Mattioli – Nossa organização foca fortemente na qualificação dos profissionais que aqui atuam. Temos um diferencial que é o Centro Educacional da Fundação Salvador Arena, pertencente a FSA, com aproximadamente 2, 5 mil alunos e este DNA é trazido para o dia a dia da empresa.

Nas diretrizes estratégicas da empresa temos metas especificas para T&D e processo sucessório. Desta forma, toda a organização trabalha de forma integrada para que estes objetivos sejam atendidos. As bolsas de estudos são definidas e aprovadas pela direção, justamente com o foco de termos cada vez mais profissionais com o nível de conhecimento que iremos necessitar.

MUNDO RH – Mesmo em momentos de crise, é possível um RH continuar investindo em programas de treinamentos?  

Elaine Mattioli – Penso que temos outras formas de contribuir na adequação das estruturas de custos de Recursos Humanos de uma organização que não diretamente nos programas de treinamento e desenvolvimento.

É claro que temos que ser mais zelosos no foco e no público, mas não podemos deixar de fazer, pois se algum GAP ou necessidade foram identificados e não fizermos nada, com certeza, irá comprometer os resultados num futuro próximo.

Portanto, existe sim a necessidade de lapidar essas as necessidades, utilizando-se da capacidade criativa, recursos disponíveis no mercado e de parcerias para continuarmos com os programas, pois sabemos que leva tempo para o desenvolvimento de algumas competências e, se perdermos algum tempo, será como entregar o produto fora do prazo acordado para o cliente.

MUNDO RH – Profissionalmente, como a senhora busca no dia a dia se atualizar com as tendências em gestão de pessoas e conhecer as novidades em ferramentas oferecidas no mercado?

Elaine Mattioli – É necessário estar conectado com o que acontece no Brasil e no mundo, conhecer o que existe de ferramentas e entender a aplicabilidade de cada ponto, o mercado está repleto de excelentes iniciativas e novas soluções de desenvolvimento de pessoas, portanto investir algumas horas por dia para leituras especificas para conhecer novos conceitos, é fundamental. Basta ter disciplina.

Participar em grupos de RH tem sido fundamental, pena que ultimamente as agendas não tem permitido minha participação frequentemente, mas por sorte o mundo virtual tem ajudado muito neste sentido.

MUNDO RH –  Por último, na sua opinião, como a tecnologia está contribuindo para a gestão de pessoas nas empresas?

Elaine Mattioli – Tem sido crescente o uso da tecnologia na gestão das pessoas. Cada vez mais temos utilizado as informações que temos para estrategicamente definir as nossas ações. Nossa meta é ter todos os processos de RH informatizados, hoje estamos com 80%, e com isso nossa equipe passará a ser mais analítica e consultiva contribuindo positivamente para a melhoria da gestão.